Tag Archives: Newpop

A festa da maioridade da NewPOP Editora

22 jan newpop-festa-capa

Não é todo dia que uma editora completa 10 anos de idade. Ok, essa frase pode se aplicar para qualquer outro número, mas a entrada nos dois dígitos é algo que deve ser comemorado. Ainda mais se for uma editora de quadrinhos. E ainda mais se for uma editora cuja principal base são os mangás. Por causa disso, a NewPOP Editora fez uma grande comemoração no dia 21/01 para comemorar seus dez anos de existência, e o negócio foi praticamente uma festa de debutante para a terceira maior editora de mangás do Burajiru. E como eu adoro uma festa e uma boca livre, fui junto com o estagiário do Mais de Oito Mil (sim, agora tenho um estagiário!) conferir essa party.

newpop-festa-01

O local escolhido, assim como no evento anterior, foi o Naniwa Kai, um palquinho com nome japonês ao lado do metrô Vila Mariana. Já na entrada eu fui recepcionada pelo pai da aniversariante, o Junior Fonseca. Com cara de cansado e com a mesma aparência há pelo menos uns 15 anos como se dormisse em criogênio, o próprio dono da editora explicou como estavam funcionando as instalações naquele dia. Além do palco e das cadeiras do público, havia uma área separada com estandes da Editora Draco e da própria NewPOP, além de um cantinho para você fazer sua caricatura de graça. Faltou só uma cabine fotográfica com acessórios cafonas para realmente ser uma festa de debutante real.

Logo me acomodei nas fileiras que Junior separou para a Imprensa Especializada (pff) e, assim como em festas de família, precisei bancar a simpática com os redatores dos outros sites mesmo sabendo que eles tentavam sabotar a minha cobertura. O redator do Crunchyroll, por exemplo, tinha o dom de se enfiar na frente de todas as minhas fotografias, prejudicando meu compromisso de informar os leitores no Twitter.

//platform.twitter.com/widgets.js

Para melhorar o valor agregado de sua festa, Junior Fonseca convidou diversas pessoas para palestras que serviram de esquenta para sua própria apresentação. A primeira reuniu representantes de grandes sites (excluindo o Mais de Oito Mil que de grande só tem minha bunda) discutindo quais são os pilares que sustentam um bom mangá. Obviamente não se chegou a conclusão alguma, mas podemos marcar em nossos Death Notes o nome dos convidados que citaram Cavaleiros do Zodíaco e Bleach como mangás bons.

newpop-festa-02

A palestra seguinte foi sobre No Game No Life, reunindo a tradutora das novels e fãs especialistas que a todo momento faziam piadas recorrentes sobre personagens andróginos. Tal qual aquela parte da festa de debutante que vemos uma apresentação de slides com fotos da aniversariante, esse foi o momento que todo mundo aproveitou para tirar a água do joelho, consumir uns belisquetes e ler aquela edição atrasada de mangá. Até mesmo a Imprensa Especializada como desculpa a exploração do Naniwa Kai para encontrar um canto afastado do palco pra ficarem conversando sobre trivialidades.

newpop-festa-03

Na palestra sobre quadrinho nacional, grandes representantes dos quadrinhos eternamente adiados como Fábio Sakuda (ex-Ação Magazine e autor do anunciado-há-anos DeadZone) e Douglas MCT (de Hansel & Gretel) se uniram a Fabrizio Yamai e a Raphael Fernandes da editora Draco para conversarem sobre o mercado, sobre suas deficiências e para desanimar quem sonha em ser desenhista e tem um traço tão bom quanto o One.

newpop-festa-04

Por fim chegou a hora mais esperada da noite. A trilha sonora local em loop de aberturas de animes cujos mangás foram licenciados pela NewPOP sumiu e deu lugar ao pai da aniversariante, Junior Fonseca, subindo ao palco. A Imprensa Especializada (pff) voltou às cadeiras reservadas para fazer seu trabalho de cobrir os anúncios que seriam feitos e repercuti-los em suas redes sociais.

Junior Fonseca, aliás, é um anfitrião diferente de Beth Kodama da Panini ou Cassius Medauar da JBC. Embora estes dois sejam idolatrados pela fanbase dos mangás e seus posts nas redes sociais virarem meme e notícia, não muda o fato que eles são apenas funcionários de empresas que não sabemos nem quem são os donos. E mesmo se considerarmos Junior como dono, ele tem um porte que o diferencia dos tradicionais engravatados. Primeiro ele comparece ao próprio evento com uma roupa próxima aos otakus que estavam ali presentes, esbanjando uma exótica combinação de cores e acessórios excessivos. Segundo porque ele evita ao máximo dar aquela levantadinha fake na moral de sua própria editora.

newpop-festa-05

Eu explico: se você acompanha o Mais de Oito Mil deve saber que já criticamos muito a NewPOP. Ela tem problema com periodicidade, com revisão, de prometer muita coisa e demorar pra lançar etc, e sabe o que Junior faz em sua palestra? Cita exatamente todos esses itens. Assume que tem problema com periodicidade e revisão (e que tem tentado melhorar nas duas) e explica que anuncia muitas coisas porque a editora não pode parar, sempre está negociando novos títulos senão fica pra trás. Até a própria posição de terceiro lugar é comemorada e zoada ao mesmo tempo por Junior, que afirmou “tudo bem que muita gente pode achar que não é grande coisa ser uma das 3 maiores editoras de mangás do Brasil“.

Junior então passou um videozinho com os anúncios deste evento, mas nem vou focar muito nisso porque todo o foco dos outros sites da Imprensa Especializada (pff) foi apenas nisso. Sim, rolou anúncio de Madoka Magica The Rebellion Story, dos yuris Sunset Orange e Philosophia, de Happiness, Clockwork Planet e Koe no Katachi (quando falaram desse, urros de orgasmos otacos foram ouvidos de vários cantos da plateia e da Imprensa Especializada), mas nem é o mais importante a ser discutido nessa matéria.

Inegavelmente a NewPOP é um projeto que dá prazer ao Junior Fonseca. Enquanto não sabemos se os donos da JBC consomem quadrinhos ou mesmo se os investidores da multinacional Panini fazem ideia de que publicam mangás no Burajiru, Junior Fonseca está ali se misturando com os otakus porque gosta de quadrinhos. Boa parte das propostas da NewPOP, como oferecer títulos de qualidade e por um preço em conta, são desejos que o próprio Junior como leitor de mangá. E é tão difícil vermos um empresário que fala tão abertamente (e naturalmente) de seus defeitos que não tem como não aplaudir a NewPOp por esses 10 anos.

newpop-festa-06

E talvez o momento mais importante da tarde (afinal Junior Fonseca decidiu adiantar sua apresentação para que os otakus não ficassem presos na chuva torrencial prevista para o fim do dia na Vila Mariana) foi que todo mundo no Naniwa Kai viu a NewPOP atingindo a maioridade diante de seus olhos. Depois de lembrar títulos importantes para sua editora, como os clássicos de Tezuka e os mangás da CLAMP, Junior anunciou que a editora trará seu primeiro mangá longo para o Brasil, e vai começar justamente com o clássico GTO – Great Teacher Onizuka, mangá de 25 volumes que tinha aquela aura de mangá-nem-tão-velho-e-nem-tão-novo-que-nunca-vai-sair-no-brasil-porque-nem-fudendo-a-jbc-ou-a-panini-trariam.

Vou continuar criticando a NewPOP, com certeza. Quando atrasar títulos, quando prometer e não lançar, quando rolar uma revisão ruim e até quando mandar contratos picotados acidentalmente para compradores. No entanto, nesta matéria, vejo apenas motivos para aplaudir o amadurecimento da NewPOP e dar um tapinha nas costas do Junior falando que a filha dele já tá uma adulta bem bonita.

//platform.twitter.com/widgets.js

(ok, vou zoar só um pouquinho também)

Editoras, vamos parar com esse rolê errado de anunciar muitos mangás?

4 dez muitos-mangas-parem-pfv-capa

Esse final de semana aconteceu um famoso evento de ~cultura nerd~ que se autointitula tão épico quanto as obras de Homero (o nome da CCXP não será mencionado porque eles não me deram credencial de imprensa, ok?) e tanto a Panini quanto a JBC estiveram lá com seus painéis de revelações para o público. Enquanto o da Panini teve a presença de Frank Miller e Beth Kodama anunciando nada menos que SETE TÍTULOS diferentes, a JBC foi na contramão e fez um painel sobre vários nadas, anunciando apenas a morte do Ink Comics. Para a galera da Internet, ficou bem claro que a Panini PISOU na JBC e saiu como a ~campeã da feira~, mas na verdade quem se fodeu fomos todos nós mesmo.

Lá pelos idos de 2010, quando a JBC estava completando 10 anos de atividade, rolou um boato que eles iriam comemorar fazendo 10 anúncios de mangá. Na época, o editor Marcelão del Greco chegou a falar que esse número de anúncios era absurdo, e assim foi. Ano passado nos 15 anos de JBC, em contrapartida, o inverso aconteceu e a editora anunciou mais de 30 TÍTULOS NO MESMO ANO, lançando quase tudo no tempo previsto. Mesmo se tratando de títulos curtos (afinal, a JBC não é uma editora enorme), ainda assim são 30 títulos. E, de certa forma, isso acabou criando uma guerra fria entre as editoras de mangá, e ambas partiram para a briga de anúncios de títulos porque, né, o pessoal vibrava a cada tranqueira anunciada.

batalha-jbc-panini-capa

Nessa disputa que praticamente é uma competição de tamanho de pinto do mercado editoral de mangás, quem saiu perdendo foi a gente. A quantidade de títulos anunciados não estava de acordo com a carteira do público e a situação econômica no país. E a quantidade de anúncios chegou num nível que havia coisa saindo mais de um ano após divulgada pela primeira vez (como foi o caso de Rust Blaster da Panini, isso que nem tamos contando coisas como Akira que o problema são os japoneses).

Quem mais se empolgou com essa coisa de anúncio de mangá foi a Panini, que tem cheat de dinheiro infinito e pode negociar muitos títulos. A cada aparição pública de Beth Kodama, tínhamos a certeza que a editora faria algum anúncio de one-shot ou título muito esperado. Até mesmo 21th Century Boys entrou no balaio como se fosse um lançamento, e não uma óbvia continuação de 20th Century Boys. E a quantidade de coisa anunciada chegou a não acompanhavar o calendário de lançamentos da editora, o saquê tava transbordando já do copinho. No meio do ano, por exemplo, a Panini anunciou títulos como Nisekoi, Dr Slump, Sakamoto Desu Ga e me pergunta quando é que eles vão sair? Só Kami-Sama sabe! Ao mesmo tempo, a JBC precisou repensar seus lançamentos (alguns títulos viraram bimestrais) e simplesmente parou de anunciar títulos em eventos. Mesmo assim, ainda está atrasadíssima no cronograma (por onde andam Dragon’s Dogma e Sakura Wars? Um beijo, Dragon’s Dogma e Sakura Wars!).

sakamoto-capa

A impressão que eu tenho é que, mesmo sem querer, a JBC colocou uma carta armadilha virada pra baixo no campo, que é a necessidade de rolar sempre anúncio criada na cabeça do público otaku. Não importa mais quando vai sair, queremos apenas que revelem nomes para ganharem notinhas na imprensa especializada (pff) e repercussão nas redes sociais. E quem caiu nessa carta armadilha é justamente a Panini, que não para de anunciar mangás que não fazemos a menoooor ideia de quando vão sair. Só do Akira Toriyama, por exemplo, temos Dr Slump, Jaco e mais a colaboração com o Masakazu Katsura pra sair em algum momento de 2017.

De verdade, se as editoras (não só a Panini como a JBC, a Nova Sampa, a Newpop etc) não se segurarem um pouco essa vontade desesperada de conquistar aplausos do público, capaz de no Ressaca Friends termos pela primeira vez anúncios de mangás que serão publicados só em 2018.

NewPOP Editora e Nova Sampa: morreram ou foram para a Record?

17 maio por-onde-andam-editoras

Mesmo com a completa ausência de matérias no Mais de Oito Mil, até porque as editoras não conseguem chamar a atenção em meio ao governo do Dabura, estou me esforçando para dar um sinal de vida e apresentar algo a vocês leitores que consomem meus textos e me garantem alguns centavos quando clicam ali do lado no merchan do Capitão Onigiri. Mas sabe quem também anda meio sumido? As editoras Nova Sampa e NewPOP. Por onde andam?

Vamos começar com a NewPOP. No último capítulo, ela teve um pequeno problema com um carregamento de papel que ficou preso no porto, obviamente uma praga das editoras concorrentes que têm transparência em maior ou menor grau. Faz um bom tempo que não vejo títulos desconhecidos e/ou moe nas bancas e comic shops, sinal que a NewPOP não dá as caras nas prateleiras há um tempinho. Será que morreu? Bem, não…

A conta oficial da editora tem estado muito ativa no Facebook, seja fazendo postagens genéricas de “dia dos nerds” ou fazendo aquelas promoções gostosas na loja online da editora (vocês terão outro exemplo de loja online se clicarem ali do lado no merchan do Capitão Onigiri… já falei isso hoje?). E no último dia 13 de maio, uma declaração:

MORREU-RECORD-NEWPOP

Basicamente é aquilo mesmo, o papel empacou e eles atrasaram toda a produção. No entanto mantiveram a fanpage atualizada, botaram aquelas indiretinhas no texto de esclarecimento e estão de parabéns pela transparência. Vamos então para o outro caso, o da editora Nova Sampa.

A última vez que tivemos novidades da Nova Sampa, depois dos anúncios não cumpridos de 2015 e da participação da mesa redonda do Anime Dreams em 2016, foi o anúncio do retorno da editora com o mangá Pride – O Supercampeão no começo de abril. Estamos quase em junho, vamos ver qual foi a última postagem da editora na página do Facebook?

MORREU-RECORD-SAMPA-01

Ok, foi uma postagem no final de abril com um RT de uma promoção de uma loja online de mangás (que funciona como a Capitão Onigiri, conhece?). Mas qual foi a última postagem da Nova Sampa mesmo?

MORREU-RECORD-SAMPA-02

Torcendo para que a estratégia da editora seja apenas um hiato disfarçado de últimos suspiros.

NewPOP, monopólio de distribuição e comparações com o namoro que você não tem

27 fev fim-de-namoro-capa

Bem, nessa altura do rolê você já deve saber que a NewPOP soltou uma bomba ontem enquanto a JBC achava que estava abafando ao anunciar Knights of Sidonia semanas depois do Jbox. Enfim, se você não sabe o que foi, recomendo esse link do Jbox mesmo, afinal eles são acionistas majoritários do Mais de Oito Mil e assumirão este blog se as ameaças de morte das gothic lolitas se realizarem.

Resumindo para você que não clicou no link que eu dei, a NewPOP anunciou o fim da distribuição dos mangás em banca. No anúncio divulgado no email que não foi enviado para euzinha (ouviu, sr Junior Fonseca???), a editora conta que tá foda viver com distribuição em banca  porque tem estabelecimento que nem bota as coisas na prateleira e rola muita perda de volumes no transporte e na exposição. Assim, eles vão atender apenas livrarias, comic shops e trocentos sites de Internet. Mas ainda vai ter um ou outro mangá que vai pra banca, provavelmente os mais populares.

Pela reação das pessoas, tivemos mixed feelings. Houve quem tenha dito que isso é um passo revolucionário na indústria dos mangás do Burajiru, pois estamos nos aproximando dos mercados estrangeiros que em nada depende de bancas. Também tem quem disse que só compra mangá em banca e que não tem nenhuma livraria e que não vai mais adquirir títulos da editora por causa disso.

Aposto que boa parte dos leitores entrou aqui para saber o que eu ia falar sobre o caso, se iria apoiar ou zoar a iniciativa. Bem, minha bola de cristal deu uma quebrada depois da vez que previ o fracasso do Jogo Justo, então a melhor coisa que faço é ficar esperando pra ver no que vai dar. No lugar de fazer isso, gostaria de comentar como essa situação lembra muito um final de namoro.

newpopday-05

Talvez você otaku não saiba, mas no mundo normal pessoas se relacionam com pessoas de verdade e, ocasionalmente, o negócio chega ao fim de várias maneiras trágicas possíveis. Quando isso acontece, normalmente uma pessoa posta no Facebook aquela indiretona através de músicas ou então de fotos em balada, isso quando não vai além e faz um textão dizendo como a vida será diferente daqui pra frente. E o email que a NewPOP enviou para quase todo mundo menos eu nada mais é que uma grande indiretona para a pessoa que fazia o relacionamento ser abusivo: a distribuidora.

Aqui no Burajiru temos praticamente um monopólio de distribuição, com uma empresa que não se importa muito em fazer um serviço decente e justo porque… bem… é um monopólio. Boa parte do dinheiro de capa fica com a empresa de distribuição que já não é aquelas coisas, o que encarece o produto. O preço de capa de mangá não cobre apenas o valor do papel offset transparente, a licença superfaturada em dólar e o papel higiênico de folha dupla no banheiro da editora, mas também o lucro da distribuidora. Sem esse entrave, a NewPOP pode competir melhor no mercado sem precisar diminuir gramatura do papel ou aumentar preço. Romper com esse namoro abusivo com certeza foi difícil, mas uma coisa é certa: ou vai fazer bem para o nosso mercado ou vai fazer mal. Se a editora for bem sucedida, pode ser um primeiro passo para a Panini e a JBC pensarem na mesma saída. Caso contrário, todas elas ainda estarão presas à distribuição (sim, a distribuidora é poligâmica).

Vamos aguardar novos capítulos desse término de namoro, com direito a snaps da NewPOP na balada tomando Mupy com energético ao som de músicas de fossa:

Editora de mangá acidentalmente envia para comprador alguns contratos picotados (!!!)

20 jan vazamento-yamato-capa

Não sei se vocês já notaram isso, mas as notícias que os Jbox da vida publicam são basicamente divulgação das empresas envolvidas ou coisas que vazaram. E vamos ser bem sinceros, vazamento são as notícias mais divertidas, como foi o caso da recente divulgação de UQ Holder pela JBC e o antiaderente anúncio de Jobs pela mesma editora alguns anos atrás pelo Dudunaweb, resultado de uma delação premiada com a autora do mangá. Bem, toda essa longa introdução foi para informar que agora VOCÊ LEITOR também pode ter acesso a uma notícia vazada no conforto do seu lar, dessa vez sobre os evento de anime.

“Nossa, Mara sua gordelícia maravilhosa, como é que eu posso receber um vazamento de notícia em minha humilde residência?” dirá Michel Teló ao ler esse post, e a resposta é muito simples. Basta dar uma fugidinha de comprar mangás da NewPOP (agora aprendi a escrever certo, viu Júnior?) em bancas e pedir as coisas pelo correio da loja da editora.

Não entendeu porque é otaku e tem um pouco menos de QI que uma batedeira? Deixa que a tia Mara explica tudo: quando você pede alguma encomenda pelo correio, muitas lojas costumam colocar uns trecos pra fazer volume e impedir que o pacote se danifique. Algumas mandam deliciosos plásticos bolha, enquanto algumas economizam e botam papel mesmo. Esse é o caso da NewPOP, acontece que não é qualquer tipo de papel… eles usam PAPÉIS CONFIDENCIAIS DA YAMATO, tipo emails de negociação e contratos, picotados.

Duvida da minha palavra? IKIMASU ver as fotos enviadas para mim pelo misterioso leitor B (“b” de “baixinho”, como diria a alfabetizante música da Xuxa). Um kisu no kokoro do misterioso leitor B que fez uma compra na loja online da NewPOP e recebeu isso:

vazamento-yamato-01

vazamento-yamato-02

vazamento-yamato-03

Se isso é uma estratégia para fazer com que os otakus comprem mais da loja virtual e assim participem desse ARG para descobrir quem serão os próximos artistas musicais dos eventos da Yamato, posso dizer que é uma ideia maravilhosa! Eu mesma já estou pensando em comprar lá quando estiver sem pauta e precisar divulgar algo vazado. Só não vale botar o contrato do Mundo Canibal, do Massacration e do Cellbit porque a gente já sabe que o desses é vitalício.

Aliás, falando em vazamentos

vazamento-yamato-gackt

GACKT CONFIRMED…?

Mais de Oito Mil entrevista Junior Fonseca, dono da NewPOP Editora

5 jan entrevista-junior

E aí, minna, como cês tão? Depois de um conturbado final de ano com direito a um grande keikaku, o Mais de Oito Mil está de volta em 2016 com muitas pautas novas pra eu dar aquela comentada. E mês de janeiro é mês de reflexão, então por que não ir atrás daquelas pessoas que tanto enchemos o saco durante 2015 para fazer algumas perguntinhas? Não, não estou falando das Gothic Lolitas do Esquenta porque elas vão começar aquele papo chato de que o movimento lolita começou no período rococó e blá blá blá, e sim quero trazer ao palco do Mais de Oito Mil o nosso querido Junior Fonseca, editor e dono da NewPOP.

Me encontrei com o Junior numa bela tarde outonal no topo do prédio do Banespa, aqui no Centro de São Paulo. Tomamos Mupy de maçã enquanto conversávamos sobre o atual mercado de mangás e como a NewPOP não é mais aquela editora que tanto impliquei no começo do blog. IKIMASU conferir o papo? Ela começa depois dessa imagem horrorosa feita no Photoshop nos primórdios do blog!

maraentrevista

Mais de Oito Mil: Você trabalha com otakus há algumas décadas, desde que escrevia para revistas informativas. Qual a diferença entre o público otaku que ia nos Animecons da vida no começo dos anos 2000 e a galerinha otaca dos eventos de hoje em dia? Qual público é o mais chato?

Junior Fonseca: Na verdade, o perfil do público não mudou tanto assim, o interesse em si é que mudou e a forma da galera se manter antenada nas obras também. Naquela época ainda tinha muita coisa passando na TV, DVDs e até mais eventos. Hoje em dia tudo é baseado na internet, antes nos eventos o grande destaque era dubladores, hoje em dia são os youtubers; naquela época as palestras relacionadas às editoras, ao mercado eram bem mais aguardadas, hoje como tudo está na internet, esse espaço se perdeu um pouco. Eu prefiro o público de agora, a galera está com mais opinião, mesmo às vezes ignorando algumas coisas importantes.

MdOM: Em 2009 a Newpop anunciou Hansel & Gretel, uma releitura em mangá da história de João e Maria. Muitos anos se passaram, muita água rolou, o mangá brasileiro se tornou lenda urbana entre os fãs e piada recorrente no Mais de Oito Mil. O projeto se perdeu no caminho de migalhas?

JF: Nem fale, lançar esse mangá é uma questão de honra, até porque a obra está ficando linda e o Douglas tem um carinho e dedicação muito grande por ela. Infelizmente trabalhar com HQ nacional, produção nacional é mais complicado do que licenciar algo pronto. Mas uma hora sai, nem coloco mais datas.

newpop-19-capa

MdOM: Em 2011 a Newpop fez 15 anúncios de lançamentos para 2012 e não conseguiu cumprir a meta. Nesse último Newpop Day rolaram 19 anúncios que animaram o público e você afirmou que eles chegariam em 2016. Agora vai? Aconteceu alguma mudança na editora nesse tempo pra gente acreditar na promessa agora?

JF: Sim, em 2011 a editora era bem mais nova e nesse período foram surgindo oportunidades que não poderíamos deixar para depois, com isso, muita coisa foi sendo remanejada. Aconteceu que a editora vem evoluindo com o passar dos anos, aprendendo com seus erros e claro, com mais colaboradores. Além dos mais, muitas dessas séries são curtas. Acredito que a NewPOP seja uma das editoras mais transparentes do mercado, obviamente, na questão da comunicação com os leitores.

MdOM: Embora a Panini e a JBC estejam enfrentando alguns problemas com papel, você disse no último Newpop Day que a crise não afetou a tua editora. Qual foi a bruxaria que você fez para manter a qualidade acima da concorrência?

JF: Continuo usando o papel de sempre. É uma questão simples de escolha, ninguém compra papel no escuro.

MdOM: Qual o plano da Newpop para quando acabarem todos os licenciamentos possíveis de Madoka?

JF: Continuar lançando outras obras. A NewPOP não vive de Madoka ou de relançamentos. Se você analisar, mantemos sempre apenas uma série da franquia em nossa grade de lançamentos. Quando uma termina, aí começamos outra.

ressaca-mesa-redonda-02

MdOM: Nos últimos anos a Newpop deixou de ser uma editora que só lança títulos em eventos e passou a publicar também em outros meses do ano, mas ainda tem alguns problemas para manter a periodicidade dos seus títulos. A razão disso é a clássica desculpa da enrolação dos japoneses nas aprovações ou tem algum outro motivo?

JF: Há vários fatores, a questão de aprovação por parte dos japoneses é a principal. Mas como comentei no NewPOP Day, houve um erro de planejamento da editora que – durante os dois principais eventos do ano para este mercado (Anime Friends e Fest Comix) – fazia diversos lançamentos, muito deles, por serem séries regulares, nos forçavam a ter que encaixar uma quantidade de lançamentos maior do que nossa capacidade de produção e de funcionários permite.

MdOM: Se não estou enganada, em uma palestra você chegou a dizer que as pessoas estavam mais interessadas em comprar o mangá de No Game No Life que as novels que têm mais conteúdo. Você acha que isso é falta de informação sobre o que é uma light novel ou é apenas a preguiça tradicional do brasileiro de ler algo que tem mais caracteres que o livro da Kéfera? Ainda dá pra crescer o mercado de novels no Brasil?

JF: É um reflexo cultural do país, que não lê muitos livros. Além disso, acredito que a questão financeira também conta e o fato dos novels não serem vendidos em bancas (ou seja, possui um alcance menor). Mas, sim, o mercado de novels deve crescer, mas não acho que passará em vendas o de mangás.

MdOM: Obrigada pela entrevista, Junior. Poderia deixar para os leitores do Mais de Oito Mil uma mensagem ou uma dica para manter o visual tão jovial como o teu? Desde 2002 que te vejo em eventos e cê tá com a mesma cara!

JF: Agradeço a oportunidade e que continuem apoiando a NewPOP (aliás, a grafia correta é NewPOP, blz?). O segredo não tenho a menor ideia, trabalho com o que gosto, talvez seja isso.

Filosofia Meninas Malvadas aplicada em editoras de mangá

2 nov NEWPOP-DEI-capa

O Mais de Oito Mil é um blog que existe desde o dia primeiro de dezembro de 2009, e desde então se tornou um referencial na nossa imprensa especializada (pfff) em resuminhos, primeiras impressões, punhetação e panos quentes. O prestígio do Mais de Oito Mil já garantiu duas indicações de melhor blog de humor no Troféu Imprensa Especializada do Mais de Oito Mil (perdi as duas vezes, mas é a vida), uma entrevista ao Netotin, pauta de vídeo do Henshin Online e participação com credencial de imprensa em grandes eventos como o Anime Friends e a feirinha da Liberdade aos domingos. Resumindo, é um case de muito sucesso.

Talvez por isso tenha ficado tão chateada com esse anúncio da Newpop:

NEWPOP-DEI-01

DEIXA EU VER SE A OTAKA AQUI ENTENDEU!

A Newpop se inspirou em Cassius Medauar, o editor que revela um anúncio a cada espirro, e decidiu promover um evento próprio em São Paulo para fazer anúncio de 19 títulos? Eu poderia questionar a qualidade desses títulos, eu poderia perguntar por que a editora vai anunciar coisa se eles não publicaram tudo o que anunciaram anos atrás e poderia até mesmo questionar as caricaturas em mangá que serão feitas e que raramente ficam parecidas com a pessoa, mas não… quero questionar outra coisinha… a primeira frase.

A Newpop convida a todos para o Newpop day? CONVIDA MESMO????

NEWPOP-DEI-02

PORQUE EUZINHA NÃO FUI CONVIDADA!!! Cadê a Mara do Mais de Oito Mil? A Sandrinha Monte do Papo de Budega? Cadê a Biblioteca Brasileira de Mangás? Cadê o Site dos Cavs!? Cadê as viúvas do SOS Sailor Moon? Cadê o critério?

Mas não se preocupem, leitores. Sou jornalista profissional pós-graduada em Rancor e Amargura pela Universidade Otaka de São Paulo e não vou deixar que esse disparate me impeça de fazer uma cobertura do anúncio dos 19 spin-offs de Madoka que serão revelados no Newpop Day! Profissionalismo em primeiro lugar!

Mais um Clamp vem aí… com várias faces e uma fonte horrível

3 set

Se você dormiu esperando o último volume de Guin Saga até agora e não tá sabendo da notícia, a Newpop agora tem mangás do Clamp. Eles conseguiram comprar os direitos de Gate 7 e mais alguns mangás que a JBC não quis do catálogo das quatro senhoras, entre eles O Homem de Várias Faces. Não, não é um mangá sobre um certo dublador aí…

Esse mangá finalmente vai sair agora que a Newpop descobriu que para se manter viva como editora de mangá você precisa PUBLICAR, e não ANUNCIAR. E ela até anunciou a capa em sites especializados e….

homemvariasfacescapa01

Minna! Eu não vejo um logotipo tão feio desde a Ação Magazine! Tudo bem que meu conhecimento de design e logotipos é tão grande quanto o do Marcelo Del Greco de divulgação efetiva de mangás pela JBC, mas eu decidi arregaçar as mangas e fazer logotipos menos porcos para esse mangá dessas autoras tão prestigiosas.

homemvariasfacescapa04

homemvariasfacescapa03

homemvariasfacescapa02

homemvariasfacescapa05

De nada, Newpop.

Relatório Newpop de Lançamentos (Mês de Dezembro)

28 dez

Oi, minna, tudo bem com vocês? Dessa vez, assim como o checklist da Panini, estamos um pouquinho adiantados para falar sobre o relatório de dezembro da Newpop.

Mas Maracutaia, sua gorda que foi vista dançando Ragatanga bêbada numa festa, o mês de dezembro ainda não acabou! Você está prejudicando de propósito essa maravilhosa editora que lança mangás com boa qualidade!”

Prejudicando? Nem se o dono da editora abrisse o forno com todos os mangás embaixodobraço e espalhasse em bancasestratégicas ele conseguiria lançar alguma coisa ainda em 2012. Então cale a boca antes de vir me criticar, ou lhe darei um soco que te fará ir decolando até aquela esquina onde Diego com toda alegria vem festejando.

Por isso, o saldo de mangás da Newpop em dezembro foi:

newpopzero01

ZERO!

E assim encerramos o relatório anual da editora PÓS anúncios bombásticos de abril. E o saldo é: dos QUINZE títulos anunciados em abril, a editora lançou pelo menos uma edição de TRÊS.

Sorte que o dono da editora preferiu se omitir de aceitar o Desafio do Mais de Oito Mil, porque senão a coisa ficaria feia.

Gostaria de avisar NOVAMENTE que o espaço está aberto aqui para a editora Newpop se defender de tudo o que eu disse. Mas eu acho mais bonito se a editora vier atrás, porque eu já cansei de tentar conseguir alguma declaração da Newpop.

Para encerrar o post com alguma piada, vamos para uma galeria de imagens de coisas que são mais fáceis de encontrar na banca que um lançamento da Newpop:

newpopzero02

newpopzero03

newpopzero04

newpopzero05

newpopzero06

reginagif02

Até tu, Regina?

***

CLIQUE AQUI e vote no 1º Troféu Imprensa Especializada (pff)

Sempre na vanguarda

10 dez

Deu no Animepró:

É por esses e outros motivos que vemos como a Editora Newpop está sempre na vanguarda, já atrasando o lançamento de Gate 7 no Burajiru muito antes do anúncio do atraso japonês. Parabéns a todos os envolvidos!

***

(Me siga no Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)