Archive | junho, 2013

O melhor texto de MiMiMi de todo o Mais de Oito Mil

27 jun

A invenção da internet só aumentou duas coisas: a pornografia e o mimimi. Principalmente o mimimi dos fãs, que por alguma razão se acham no direito de controlar decisões feitas por empresas sobre suas séries favoritas.

Recentemente, a Namco anunciou que não tinha mais o que lançar e revelou um novo jogo de Cavaleiros para o PS3, previsto para novembro e provavelmente reaproveitando até o cu daquele jogo lançado tempos atrás.

Especializado nos guerreiros de Atena, o Site dos Cavs fez o melhor texto de Mimimi que já li na vida. Ele é tão bom que será aproveitado em doses homeopáticas:

desculpaszodiaco01

Puxa-saquismo? Confere. Índice de ufanismo? Confere. Distorção da realidade? Confere!

Tudo indica que é uma notícia normal do site dos Cavs, eles explicaram que o jogo vendeu mal mesmo tendo vendido quase o primeiro lote inteiro. E explicaram a ausência da dublagem nesse novo jogo com um orçamento modesto.

Vamos descobrir se isso é constatação ou recalque no próximo parágrafo:

desculpaszodiaco02

Namco, num surto de bom senso, decidiu não chamar o Site dos Cavs para a revisão do jogo dos Cavaleiros. Como ela ousa ignorar esse fandom composto de 17 fãs? Será que ela tá pensando que vai ganhar mais se ignorar esse nicho e focar nos fãs nostálgicos que não acessam ao site mas curtem essa velharia?

Detalhe que o nível de recalque foi tão grande que o Site dos Cavs até sugeriu um reaproveitamento de material do outro jogo.

desculpaszodiaco03

O GIGANTE ACORDOU, e ele tem a forma de um recalque imenso do Site dos Cavs por não ter sido chamado para ajudar no novo jogo. Agora o despeito chegou a nível inter-estadual com eles dando sugestões cafonas e criticando o escolhido. E, francamente, “Cavaleiros da Esperança” tem mais cara de título de livro do padre Marcelo Rossi que jogo dos Cavs.

E como num letreiro de coxinha em placas nas manifestações brasileiras, eles dão a entender que podem fazer milagres (como reunindo os dubladores originais) mesmo compreendendo o cenário (Eles mesmos falaram que a Namco deu pouco orçamento pro jogo. Vão pagar como os dubladores originais? Com vasos de Atena?).

Eu fiquei em dúvida sobre o que aconteceu com o site dos Cavs, mas esse vídeo de Cavaleiros trouxe a resposta:

 

https://www.youtube.com/watch?v=glDV5fp3hk4

“Ele se cegou para salvar vocês da morte”

Newpop se formou na Escola de Marketing Marcelo Del Greco e anuncia Usagi Drop

26 jun

Minna, decidi parar com a urubuzagem de pautas. Ou seja, não vou falar sobre desgraça. E daí que a Panini fez um reajuste de mangás acima da inflação e isso incitará os 46 compradores de mangás de São Paulo a fazer um manifesto na frente do Itaquerão? E quem se importa com a Playarte tendo a ideia de JÊNIA de exibir o primeiro episódio dublado de Cavaleiros do Zodíaco Ômega no Anime Friends do Campo de Marte, um local tão preparado para esse evento quanto a sala Yaoi está pronta para  a vinda do Papa Francisco.

A partir de hoje, seguirei a proposta de jornalismo da grande comunicadora Xuxa Meneguel:

Porque mesmo sendo milionária e bem-sucedida ela não para de descontar suas frustrações sexuais em comentários do Facebook.

Onde eu tava mesmo? Ah! Nas boas notícias.

A Newpop, contrariando a recessão e a lógica, fez mais um anúncio para o Anime Friends: uma palestra com Junior Fonseca, o dono da editora. É a chance para os leitores de conseguirem arrancar uma palavra sensata do moço, coisa que o Mais de Oito Mil não conseguiu naquela entrevista que tentei fazer e que foi ignorada após ele receber as perguntas do blog.

A palestra ganhou um simpático flyer, que reproduzo abaixo:

usagidrop01

Mas que lixo de flyer! Dá destaque ao que não importa e é uma profunda falta de profissionalism… o que foi? Ah, leitores, me confundi. O verdadeiro flyer está abaixo:

usagidrop02

Acho que nem se a Gurizada Fandangueira fosse fazer um show no Anime Friends teríamos um flyer tão… peculiar. Quem se importa em dar destaque para os mangás do lado, vamos colocar uma foto bem descolada do dono para passar a impressão que a editora é tão jovem quanto essa mania dos infernos de se usar fones de ouvidos gigantes na rua, como se toda a juventude fosse transformada em adolescentes com problemas de aceitação frequentadores de Akihabara por terem sido criados com Evangelion como parâmetro psicológico.

E seguindo a escola Marcelo Del Greco do que NÃO se deve fazer para divulgar mangás, a editora colocou uma imagem de Usagi Drop aí na esperança de aparecer em alguma notinha de sites da imprensa especializada (pff).

Ai, minna, perdão, estou muito grosseira, né?

usagidrop03

Éééé… acho que tem gente mais grosseira por aí.

Ajuda o Kekkaishi aí, ô!

23 jun

Eu tenho um pouco de aversão de rede social, acho que é porque sou antissocial. E não antissocial do tipo otaku fã do Sasuke ou do Killua (que é babacão e fica pagando de complexo), mas não curto me relacionar muito. Tudo isso só para justificar essa pauta que meu kareshi pescou no Facebook.

IKIMASU ver o que deu no Facebook do meu querido Chuva de Nanquim:

comprekekkaishi01

COMOASSIM ESSAS EDITORAS LIXO ESTÃO FAZENDO CAMPANHAS PATROCINADAS NESSES SITEZINHOS INFORMATIV… o que foi? Ah, pera! Tem um texto explicativo, ufa.

comprekekkaishi02

Deixa eu ver se a otaka aqui entendeu!

Os fãs de Kekkaishi, temendo que o mangá seja cancelado por causa de vendas ruins, decidiram fazer um protesto com hashtags para incentivar as pessoas a comprarem o mangá?

Kekkaishi foi lançado aqui no Burajiru no meio de um monte de lançamento da Panini, entre mangás famosos e desconhecidos. O tempo foi passando e a editora foi transformando em bimestral, trimestral, quadrimestral, semestral, Newpopal e Açãomagazinezal… o motivo são as vendar fracas.

Quem sou eu para questionar a veracidade disso? É um mangá cujo anime não foi exibido aqui e é bem longo, ao contrário de muita tranqueira desconhecida lançada por aqui até o fim porque é o que tinha para hoje.

Não estou questionado de Kekkaishi merece ou não continuar no mercado, porque isso aqui não é Big Brother Brasil. Meu problema é com fãs precisarem se mobilizar para ajudar uma editora como se fosse uma caridade.

Entendo que no começo do mercado de mangás as pessoas compravam para “incentivar o mercado”, mas acho que estamos num ponto que não precisamos mais disso. As editoras já conseguem lançar as coisas imaginando que vai ter um mercado para isso, e se não há mercado o jeito é tirar de circulação. É chato, mas isso acontece no mundo inteiro, até nos EUA.

Por isso, se a Panini quiser vender mais Kekkaishi por aqui, eu vou dar uma dicona. Ela precisa  de…

comprekekkaishi03

Papel de fã é apenas comprar se for numa qualidade aceitável, não divulgar.

Está tudo tão estranho no mundo dos mangás, não é à toa

21 jun

Um relato de um puzuru (“puzzle” em nihongo) que fui montando nos últimos dias. Aviso que o post é longo, mas prometo valer cada palavra. Eu não ia postar esse texto na internet. Preferia postar no Facebook ou qualquer outra rede social que seria melhor divulgada, mas preferi por aqui em busca dos likes e shares dos leitores.

***

Hoje é dia 21 de junho de 2013. Há mais ou menos uma semana, o caos foi instaurado no mundo dos mangás durante uma manifestação feita na Liberdade em busca de redução no aumento dos preços de capa. Éramos poucos, mas fomos hostilizados por staffs truculentos que nos arremessaram bombas ninjas de Naruto.

A imprensa especializada que cobria este evento também foi golpeada de maneira cruel, então ela passou a nos apoiar na causa. Foi marcado um novo ato para alguns dias depois, e o que se viu foi uma grande mobilização na mídia. Sites como a Henshin ou o Chuva de Nanquim, que antes nos chamavam apenas de “virgens sem causa”, agora estavam conosco. Anúncios alertando o evento foram publicados na revista Anime Do, e até mesmo a Mundo dos Super Heróis saiu do fandom coxinha para divulgar nossa causa.

Foi uma coisa linda, centenas de otakus andando pela Liba com suas toucas e plaquinhas, porém os protestos mudaram um pouco o tom. Os protestos contra os aumentos dos mangás estavam abafados por críticas às transparências, aos glossários e à falta de honoríficos nos quadrinhos da JBC. Algumas pessoas levaram bandeiras de editoras, mas foram oprimidas por otakus extremistas dizendo que queriam o bem do mangá sem defender nenhuma delas. Achei estranho, porque não há problema algum em levar bandeira de editoras.

E achei estranho também que o trajeto da manifestação estava diferente: ao invés de andarmos na Liba como algo simbólico, afinal fomos expulsos de lá dias antes, havia um grupo que rumou para a frente do prédio da Panini, e muitos começaram a xingar a editora.

Isso me lembrou alguns eventos de protestos falsos que surgiram pela internet.Um deles, olha que absurdo, seria realizado na frente da Panini com todo mundo vestido de roxo (cor que simboliza a morte na Grande Nação Japonesa) e cantando Cha-La Head Cha-La em japonês.

Senti um embrulho no estômago, e não era o temaki superfaturado que comi no Yoi. Nossa causa havia sido completamente tomada por pessoas que nem sabiam o que estavam fazendo ali. Estavam como boçais andando em um evento de anime, como se aquilo fosse uma festa, não um protesto.

Na última manifestação, no entanto, coisas muito estranhas começaram a acontecer. Durante a caminhada eu percebi fogo, e lá eu vi… era uma pilha de mangás queimando! Todos tinham uma coisa em comum: eram todos em formato oriental de leitura. Tal atitude dramática só significa uma coisa pra mim, estudiosa de quadrinhos que acompanho isso há tempos. Significa o retorno perigoso dos mangás em leitura ocidental.

Durante muito tempo vivemos com essas atrocidades antidemocráticas, mas após muita luta conseguimos nos livrar deles graças à abertura da nossa sociedade aos mangás em leitura oriental. Às vezes a leitura ocidental surgia como um fantasma, mas sabíamos que estava tudo Entei porque havia um grande numero de tankos em sentido original.

Porém, meus leitores, essas pequenas características que apontei neste longo texto só significam uma coisa: OS MANGÁS COM LEITURA OCIDENTAL VÃO VOLTAR. O período negro dos nossos quadrinhos está se preparando um golpe para voltar, como podemos perceber através de manchetes sensacionalistas que tirei de sites da imprensa especializada:

golpesensacionalista

Toda essa falta de foco, falta de ação dos staffs e o surgimento de manifestantes fantasiados de Tuxedo Mask só me indicam que os mangás com leitura ocidentais estão tramando um retorno maléfico ao Brasil. Outra prova é a publicação de Kingdom Hearts pela Abril. Quem precisa de mais provas, não é mesmo? Só pode ser um apocalíptico golpe.

Claro que eu poderia falar que isso não vai dar em nada porque temos a opção de simplesmente não comprar mangás em leitura ocidental. Mas, como conhecedora da História e sensacionalista de carteirinha que sou, tenho que te assustar dizendo que a história é um ciclo fixo e você não pode fazer NADA para evitar algo que está escrito no destino.

Nem adianta falar que o contexto que vivemos hoje é completamente diferente daquele tempo sombrio, que temos uma educação (só um pouquinho) melhor para não repetir os erros do passado ou que muita gente está transformando um período que sempre tentou (sem sucesso) retornar em uma história de terror só pra ganhar umas compartilhadas porque uma coisa é certa:

É UM GOLPE E A DITADURA DA LEITURA NO SENTIDO OCIDENTAL VIRÁ!

 

TENHAM MEDO.

 

Ah… e compartilhem, por favor.

Dicas para manifestações defendidas por otakus

20 jun

Ohayou, minna! Enquanto o país entrava em ebulição com uma série de protestos que andam com tanto foco quanto um episódio de Nichijou, eu tive uma ideia sobre pauta aqui pro blog. É, porque tenho que tirar ideias da minha bunda grande, afinal não vou ficar criando estardalhaço para falar das novas capas anunciadas pela JBC o novo jogo genérico de Dragon Ball Z para esses consoles aí.

Com essa série de manifestações feitas pela juventude que deseja o fim da corrupção como uma miss ambiciona a paz mundial, e se os otakus se levantassem para exigir os seus direitos? Porque juntos não somos um só, e as editoras tirânicas precisam nos ouvir.

(Sim, roubei na caruda a ideia dos leitores nos comentários do último post)

IKIMASU ver as pautas levantadas pelo companheiro militante Genma Saotome:

genma01

genma02

genma03

genma04

genma05

genma06

genma07

genma08

Ai se os aumentos aqui fossem só de vinte centavos.

Inesperado News – Mais de Oito Mil elogia editora Newpop

16 jun

Para vocês que ficam dizendo que eu só puxo o saco do Jbox, vamos lá… vejam o que deu no Chuva de Nanquim:

madokapop01

Reconheço que nunca fui muito fã da editora, mas agora me surpreendi com a notícia. A Newpop vai lançar um mangá mês que vem e anunciou um mês antes, dando tempo para o público fazer o buzz necessário para divulgar a publicação e se preparar financeiramente.

Como já falei muito mal da editora, como naqueles ótimos especiais mensais com o balanço de lançamentos da editora do ano passado, acho que eu preciso me redimir e, dessa vez, ELOGIAR muito a Newpop.

Vamos começar.

Primeiro, achei uma estratégia excelente lançar um mangá tão interessante no Burajiru, e uma obra recente. A gente tinha a impressão que a editora só anunciava tranqueira desconhecida, mas agora temos Madoka Magica, o melhor anime de todos os tempos de 2011.

madokapop02

Mais do que a garantia de um bom lançamento, sabemos que a Newpop sempre tem uma qualidade excelente. O papel é bom, a impressão é muito legível (tá, tem uns problemas de revisão e tradução, mas ninguém é perfeito, né?).

madokapop03

Com tanta editora grande pouco se lixando para mangás (Conrad manda um beijo), a Newpop parece ter assumido esse compromisso de ser a quarta editora do nosso mercado que tem… sei lá… seis. Mas, mesmo assim, o quarto lugar ainda é muito importante, porque ela lança coisas fora do mainstream.

madokapop04

O mais importante é que peço desculpas por ter sido tão dura com a Newpop durante todo esse tempo, e espero que alguém da editora leia esse post e perceba o quanto estou disposta a colaborar na divulgação desse trabalho muito bem feito de publicação de mangás.

madokapop05

Como o texto estava muito longo, coloquei umas imagens para deixar mais limpo o visual. Espero que tenham gostado.

Tudo o que pode dar errado no lançamento brasileiro de DBZ – A Batalha dos Deuses

13 jun

Sabem o que é mais lindo que passar dias upando e usando os dotes femininos para ganhar benefícios em jogos online? É o povo que fica cantando a morte do blog nos comentários É a notícia que deu no Jbox:

batalhadeuses01

Legal que os otakinhos estão soltando os fogos (guardados desde os boatos da BoA no Animecon de 2002) achando que isso será o retorno da febre dos animes no Burajiru quando, na verdade, é um mérito unicamente de Dragon Ball Z por ser uma série que marcou por aqui. Não vou ficar agourando para tudo dar errado no lançamento desse filme porque a cota de agouro já é cumprida diariamente pelo Datena narrando as manifestações pela diminuição de preço dos ônibus em São Paulo, mas todos esses anos em meio à imprensa especializada (pfff) me fizeram ter um faro muito bom para prever possíveis merdas.

Sim, essas merdas podem acontecer e eu recomendo o pessoal da Diamond Filmes ficar de olho neste post (Meus leitores também, porque o último recesso fez as visitas caírem pela metade. Obrigada a vocês três que continuam lendo o blog!).

Vamos para a mais nova seção do blog que se chama…

batalhadeuses02

Tenho de parar de criar essas seções que vão funcionar em apenas um post…

MERDA #01 – Os dubladores originais não vão querer participar

Desde Dragon Ball Kai a dublagem da série sempre nos presenteou com momentos ímpares de disputa de interesses. No começo, o dublador Wendel Bezerra (conhecido nacionalmente pela frase “Oi, eu sou Goku” e por nos incentivar a assinar o Netflix) se recusou a dublar a série nova porque ele queria que fosse no estúdio que – olha só que coincidência – ele era o diretor. No fim ele dublou o Goku, após usar a mobilização da massa de manobra fãs para tentar convencer a distribuidora que ele era imprescindível. Pior que esse tipo de pensamento mais ganancioso já impediu outros dubladores de outras séries a emprestar suas vozes (Cavaleiros do Zodíaco principalmente). Graças a Kami-Sama, todos esses problemas foram resolvidos com compreensão e respeito aos fãs.

batalhadeuses03

Acho que fica melhor colocar essas imagens sem qualquer relação com o texto para não transformar o post em uma text wall, né?

Como a gente já percebeu pelo nome tão popular quanto os autores da antologia Gen da Abril, a Diamond Filmes é uma empresa bem pequena, e provavelmente vai ter tanto orçamento para pagar pela dublagem quanto o Tite Kubo tem para contratar assistentes para desenharem o cenário de Bleach. OUSEJE, esses dubladores grandes podem não querer dublar.

MERDA #02 – Você não vai achar esse filme para assistir

Novamente, por ser uma distribuidora pequena, o circuito em que o filme do Dragon Ball vai ser beeem pequenininho. Lembram como era quase um parto de uma caipora encontrar os filmes do Ghibli quando foram lançados aqui? E olha que o Ponyo era da Playarte, e essa aqui tem muito dinheiro para bancar lançamentos de filmes (grana tirada da venda de DVDs de animes e descontinuados a preços abusivos ao público). Vai ser mais fácil encontrar aquele filme uruguaio sobre uma família construindo um banheiro para o Papa que ver Dragon Ball Z.

MERDA #03 – Fãs vão querer ajudar

Diamond Filmes, cuidado com a roubada de chamar fã para ajudar no processo. Se boa vontade de fã fosse uma coisa benéfica, Cavaleiros do Zodíaco seria mais reprisado que Todo Mundo Odeia o Chris. Os fãs vão tentar fazer campanha para chamar os dubladores, para que o filme seja exibido legendado, vão brigar por termos desimportantes da tradução e pedir que todas as vendedoras de pipoca do cinema estejam vestidas de Bulma.

As séries começam dando certo no Brasil sem a ajuda de fãs, para quê chamar agora?

MERDA#04 – Fãs não vão assistir

Fã que é fã é aquele que critica nas redes sociais, mas não move a bunda para ver o filme no cinema porque ele já adquiriu uma cópia em muito melhor qualidade através da locadora Pirate Bay. A não ser que vocês dêem o nome de “Anime Friends” e coloquem um show do Jam Project, nenhum otakinho vai gastar mais de dez reais com você.

Pior vai ser a galerinha ativista de rede social falando que “devemos ajudar os animes no Burajiru então precisamos ajudar a Diamond Filmes”. Meus filhos, se é pra dar esmola para alguém eu prefiro dar dinheiro ao mendigo que mora perto de casa, porque pelo menos eu sei que o dinheiro vai para o bar da esquina e a economia vai circular de maneira harmônica.

batalhadeuses04

Boa sorte, diamantes.

Especial: Azulão, minissaias e títulos cafonas na cobertura do Henshin+

9 jun

Durante a semana, diversos protestos marcaram a posição da população perante a JBC. Centenas de otakus ocuparam a Avenida Paulista com o objetivo de protestar contra a editora de mangás. Em cartazes escritos com alguns erros ortográficos, os otakus pediam o fim dos requentamentos, o fim da transparência (no papel) e títulos mais importantes.

Se você duvida que isso ocorreu, veja o vídeo abaixo:

Diante dessa situação calamitosa, Cassius Medauar chamou Leonardo Kitsune para uma conversa a portas fechadas na JBC. Confiram o diálogo com exclusividade aqui no Mais de Oito Mil:

Cassius Sem Orelha- Kitsune, você anotou os nossos anúncios para o Henshin+?

Kitsune-sama – Claro que sim. As pessoas vão adorar o relançamento em tanko de Negima, uma versão para livraria daquele mangá do Cowboy Bebop e mais uma promessa de data da republicação de Yu Yu.

Cassius Sem Orelha – Não, Kit-Katsune! Seremos fuzilados vivos se mostrarmos isso. Já sei… RELEASE THE LANÇAMENTOS RELEVANTES!!!

Kitsune-sama – Ooooooohhhh!!!

E depois desta introdução desnecessariamente longa e fictícia (será?), vamos conferir a cobertura do evento Henshin+, apresentado por Cassius Medauar e convidados em um auditório cheio de luxo e requinte na Livraria Cultura, sede paulista dos pedantes que amam olhar livros nas prateleiras sem comprá-los. Como não sou nem louca de tirar fotos nesses eventos (seria facilmente descoberta se fizesse isso) roubei as fotografias da cobertura mais competente que vi, a do Quiabo!

IKIMASU!!!

henshimplus01

Observem a fila dos otakinhus que preferiram perder um sábado de papo sentado na escada da Liba só para usar as redes sociais para soltar boatos sobre mangás que têm tanta chance de serem publicados aqui quanto um mangá desenhado por Hitler. O evento lotou e a temperatura do auditório tava tão agradável que passei o resto do dia tossindo e infectando com meus vírus qualquer coisa que estivesse no meu caminho, seja corrimãos ou edições abandonadas de Gen Pés Descalços da Conrad.

henshimplus02

Fábio Yabu, provavelmente cansado de vender sucesso às custas do sucesso (sic) do  Jovem LÂMBIDA³ Nerd, decidiu apresentar para os fãs sua nova versão de Combo Rangers. Caso você estava fora da inclusão digital do começo da década de 2000 e não sabe o que é isso, te explico: é uma série de paródia dos Super Sentai japoneses, mas aí o autor despirocou e começou a fazer um quadrinho com uma história profunda e cheia de complicações psicológicas nos personagens rasos. Resultado? Sua revista foi cancelada por duas editoras diferentes, e olha que uma dessas editoras publicou até mesmo uma revista com mangá da Eliana.

henshimplus03

Sentados em confortáveis cadeiras de plástico, os editores e autores convidados responderam às perguntas da gurizada enquanto um telão mostrava fotos de perfil horrorosas dos presentes, numa tentativa da JBC de difamar a imagem de profissionais tão gabaritados que trabalham até para Maurício de Sousa, este grande autor que recebeu a autorização de usar os personagens do MESTRE Osamu Tezuka.

O bate papo não serviu para muita coisa além de cada um mostrar como seu próprio lado é melhor que os outros, o que transformou o bate-papo da JBC em uma versão 2013 e masculinizada da dinossáurica “conversa de mulheres”.

henshimplus04

Foto excelente do Quiabbo mostrando Yabu cagando e andando para a discussão enquanto pergunta para seu amigo no Whatsapp por que não respondeu ainda, se a mensagem enviada já estava com dois risquinhos há 10 minutos e o amigo se encontrava online. Quem disse que a tecnologia é nossa amiga?

Mas vamos para os anúncios:

henshimplus05

Animada com a possibilidade de faturar com aqueles otakinhos sonhadores que se imaginam publicando mangá na Shonen Jump só pelo prestígio de ver sua obra disponibilizada nos Mangás Readers da vida e interpretada erroneamente por blogueiros com conhecimento de mercado editorial graças a Bakuman (caralho, que frase longa), a JBC decidiu criar um concurso brasileiro de mangás. Os vencedores terão sua história de 24 ou 32 páginas publicada em uma antologia anual da editora, uma periodicidade melhor que a Ação Magazine (se bem que até a Copa do Mundo tem uma periodicidade melhor que a Ação Magazine).

henshimplus06

A JBC aproveitou para anunciar que Genshiken terá um subtítulo no Burajiru, porque né… quem em sã consciência compraria um mangá com esse nome? E a surpresa foi o subtítulo revelado:  “O clube de estudos da cultura pop japonesa”. Que porcaria de título, o Medauar podia ter me pedido algumas sugestões melhores como:

henshimplus07

henshimplus08

henshimplus09

Vamos continuar a cobertura.

henshimplus10

Sambando na cara da Panini e daqueles otacos que postam em comunidade no Orkut que a Square só autoriza mangás em países cujo anime foi exibido antes, a JBC traz o Blue Exorcist. O mangá conta a história de um garoto com super poderes que enfrenta desafios macabros, um plot tão clichê quanto o amor impossível de Romeu e Julieta e uma explosão em filmes do Michael Bay.

Relembre a nossa análise de Blue Exorcist aqui.

henshimplus11

Agora até eu fui obrigada a engolir a peçonha depois desse anúncio bombástico da JBC, e tudo passou a fazer sentido: os requentamentos foram todos para economizar grana e pegar esse mangá com uma maleta de dinheiro maior que a da Panini. Editora JBC está de parabéns por ter convencido a tia Naoko e sua vagina demoníaca da publicação neste país de sua obra prima.

O Medauar falou que a JBC vem negociando esse mangá desde 2001, quando Sakura foi publicada pela primeira vez. Ou seja, doze anos de negociação, um tempo que dá para rolar três olimpíadas e o lançamento de um mangá da Newpop.

E agora vai começar um debate super não-construtivo sobre os nomes do mangá, porque os conservadores e otakistas vão querer Usagi e companhia, enquanto o senso comum e quem acompanhou o anime em qualquer emissora torce por Serena etc.

Segundo toda a imprensa especializada (pff), o mangá de Sailor Moon tem 18 volumes encadernados e…

henshimplus13

Boa, comentarista do Jbox, quer dizer que a versão da JBC será aquela primeirona, e não a edição redesenhada pela véia? Será que a antiga é mais barata? Será que a JBC só queria a maior? Tenho uma amiga solteira, será que o Kitsune está dispon…? MAIS INFORMAÇÕES EM BREVE.

Depois do anúncio, dezenas de blogueiros pularam em cima de Medauar e eu fui pro bar com o Kareshi porque a vida não tá fácil pra ninguém. E para você que pensa que o evento foi bom, o AFTER foi beeeeem melhor:

henshimplus12

Medauar dançando o samba de transformação de Kyoryuger na cara da imprensa especializada (pff).

O evento mais esperado do ano

6 jun

Dentro de alguns dias vai rolar o evento mais esperado do ano: o espetaculoso Henshin+ (só KamiSama sabe se a pronúncia é “Henshin Mais”, “Henshin Plãs”, “Henshin Purusu” ou se será apresentado pelo Roberto Justus). Caso você tenha gastado os últimos meses consertando o seu rascunho da Ação Magazine porque o Lancaster disse que seu mangá faltava um título pedante e um cenário brasileiro, talvez você não saiba o que é esse evento. Mas eu explico.

Tudo começou quando a JBC, em um momento de puro entendimento do nível de solteirice  de seu público, marcou no dia 12 de junho de 2012 (o dia dos namorados) um evento com a presença da imprensa encalhada especializada (pff) para anunciar as grandes novidades e o anúncio de sua mais nova contratação: Cássius Medauar, escolhido a dedo para limpar os mangás da JBC daquela ideia torta do Marcelo Del Greco de colocar piadas relacionadas à cultura brasileira. Um ano depois, encontramos uma citação de Chapolin e ficamos todos contentes, porque né.

(Relembre a cobertura do evento aqui)

O evento do ano passado também ficou marcado pela animação maravilhosa e cheia de metáforas e de cenários brancos vindos de Bleach:

henshimmais01

O que virá esse ano? Uma animação em 3D feita pelos criadores do Dollynho? Leonardo Kitsune apresentando uma variação da esquete do Zorra Total trazendo o Cássius como a Dilmaquinista? Vão anunciar algo realmente relevante ou vão disfarçar a crise dos relançamentos dizendo que estão lançando mangás super legais como The Inocent e Soul Eater?

Veremos isso sábado, no evento da JBC.

henshimmais02

E quando eu digo “veremos”, é porque eu também verei isso.

E você achando que o Jam Project era ruim…

3 jun

O que é o Anime Friends? É um evento de anime. E o que é um evento de anime? É um encontro de fãs de animação que reúne dois tipos de otakinhos:

1- Gente que não supera o fim dos animes e tokusatsu que via na década de 80/90

2- Gente que banca a alternativa vendo animus que baixa por torrent

O primeiro item é o que dita as atrações. Para quê chamar um cantor da moda, ou então um autor de mangá, né? O evento sempre faz questão de trazer alguém que sirva como um sopro de juventude daqueles tempos que não voltam mais.

Como o Jam Project já estava garantindo parte dessa cota, eles precisavam de mais algo que tenha ficado na década de 90 e tenha o mínimo de relação com o mundo dos otakinhos, então a solução óbvia foi…

familialimaaf01

A FAMÍLIA LIMA, que desapareceu das notas de jornais e das piadas sobre a virgindade da Sandy.

“Mas Mara, sua blogueira viciada em League of Legends, o que a Família Lima tem a ver com anime?”

Olha, caro otaku que julga o gosto alheio, essa pergunta deveria ter sido feita quando o Fresno foi chamado para o AF, mas eu te respondo o que a Família Lima tem de relação com os otakus:

familialimaaf02

Foto encontrada em um Fotolog da vida. Lucas Lima é otakinho que usa camiseta impressa na compacta print e frequentava eventos antigos, da época que o Peixoto organizava as filas com um megafone.

Mesmo com essa desculpa, achei pouco convincente. Mas quero ajudar a Yamato, e preparei uma lista de Limas que seriam mais interessantes para o próximo Anime Friends:

familialimaaf03

Atrações menos azedas para os otakus.

***

Se você quer fazer piadas tão boas quanto essas neste blog, que tal se inscrever no concurso “Quero ser um estagiário do Mais de Oito Mil”? Basta clicar aqui.