Barraco · Mercado Nacional

JBC faz operação contra scans e os viciados em leitura online estão desabrigados

Scans sempre foram uma faca de dois gumes para as editoras de mangás. Se por um lado eles eram uma divulgação e um termômetro para títulos ainda não lançados, eles se tornavam uma pedra no sapato quando o mangá passava a ser publicado por aqui. Mas os sites de scans continuavam a existir com tráfico de mangás à luz do dia, mesmo com a publicação dos mesmos por meios oficiais. Temos uma foto exclusiva de como funcionava esse mercado:

A dinâmica de coexistência, entretanto, sofreu um grande abalo graças a uma operação feita pela editora JBC na calada da noite.Como muitos otakus constataram, sites como a Manga Project retiraram de seu catálogo todos os títulos lançados pela Editora JBC e colocaram um aviso dando nome aos bois, como também podemos ver no flagra fotográfico abaixo:

A atitude da Editora JBC (que já foi tomada pela Panini em sites de quadrinhos americanos) revoltou os usuários viciados em scans online, e acabou tendo um efeito diferente do esperado. Se alguém na editora JBC acreditou que a retirada do conteúdo dos scans faria aumentar os compradores dos mangás, o que acabou acontecendo foi que os viciados em scans foram procurar o que gostam em outro lugar. Confira:

Piadas à parte a respeito da desastrosa operação da prefeitura de SP, depois de toda essa matéria com essas montagens zoadas você leitor deve achar que estou do lado dos pirateiros, mas a situação é bem mais complicada que isso. Claro que a JBC não está errada em mandar que os sites retirem conteúdo que eles têm os direitos, inclusive muitos sites de scans brasileiros ganham uma grana enorme oferecendo esse conteúdo.

Entretanto, a operação foi desastrosa se pensarmos que parte do público que lê por scans nem ao menos pode consumir de forma oficial, afinal muitos dos mangás se encontram esgotados e sem previsão de reimpressão (Hunter x Hunter, por exemplo). E o caso da Netflix e Crunchyroll estão aí provando que é possível diminuir em parte a pirataria oferecendo um serviço mais vantajoso e mais prático que o pirateado.

A reação, como era de se esperar, acabou sendo contrária à própria editora. Muitos viciados em scans estão criticando a JBC (ainda mais depois que o site Mangás Project fez questão de avisar que ela havia mandado tirar em vez de apenas avisar que retirou o conteúdo por causa de direitos autorais) e ainda podemos ver alguns pirateiros REVOLTADÍSSIMOS e fazendo birra de uma forma bem madura e cheia de bons argumentos:

Acho que nem o áudio do Aécio tinha tanto baixo nível. Vamos acompanhar o desenrolar dessa treta.

***

[ATUALIZAÇÃO] A treta continua, clique aqui e veja o que deu!

Anúncios

32 comentários em “JBC faz operação contra scans e os viciados em leitura online estão desabrigados

  1. É porque você não leu o resto da treta desse último print. O cara disse que o que faz é legal pois não tem lucro. Quando disse que é ilegal é ponto final o cara falou “cadê a lei que diz isso”. Então eu só mandei a lei de direitos autorais pra ele com os artigos 29 e 103 pra ele ler :)
    Foi hilário.

    Curtido por 6 pessoas

  2. Site mamador da JBC como sempre, muito dos mangás que compro hoje conheci graças as scans que inclusive serviram pras pessoas pedirem pra JBC publicar muita das coisas por aqui…

    Curtido por 1 pessoa

  3. Aí não tem como escapar,a JBC está no direito dela,mas espero que isso incentive a própria editora a começar a ter fletes com a ideia de uma plataforma digital ou se associa a elas,como a Social Comics. Eu leio scans,foi por causa deles que agora tô comprando diversos títulos que nem passariam pela cabeça como Magi e Boku no Hero.Uma crítica que faria é a falta de cuidado da transportadora e da gráfica que atrapalham imensamente na leitura e na qualidade,páginas mal encadernadas,manchas ou folhas rachuradas,além de pancadas que deforma o mangá,levo um tempo pra achar uma em bom estado com os mangás de papel jornal,já os offseft quase nunca tem esse problema,os maiores incólumes que nunca tiveram nada são Fullmetal e Berserker.

    Curtido por 3 pessoas

  4. Isso é quase igual ao que aconteceu recentemente com dois sites importantes de Torrent de animes: um fechou as portas; o outro, antes público, agora é privado. Foi o fim do mundo? Não, o máximo que aconteceu foi um efeito Cracolan – digo, manada: saíram de um site para outro(s) e tudo voltou ao que era antes.

    A JBC tem todo o direito de fazer isso (até que demorou para alguma editora fazer, aliás), mas a curto prazo o máximo que vai acontecer é esse efeito manada. Afinal, nem os ultra mega poderosíssimos estúdios de Hollywood conseguem impedir isso.

    Por outro lado é hilário esse mimimi da galera dos scans. Só porque fazem de graça algo que (acham que) fazem melhor que as editoras tem todo o direito de fazer textão pra reclamar, principalmente com relação a material já licenciado aqui.
    No mais vou ficar aqui sentado só assistindo essa queda de braço…

    Curtido por 3 pessoas

  5. Daí vc acha que só vai encontrar umas crianças de 15 anos xingando e acha mocinhos de 30 e pensa “como raios o mundo funciona nessa cabeça?”

    Curtido por 2 pessoas

  6. Que isso, aonde foi parar o código de honra dos pirateiros? Quando ele morreu? Anos atrás quando um mangá vinha para cá era comemorado e os grupos retiravam os links, ou deixavam apenas o primeiro capítulo disponível online.

    Tenho que ficar do lado das editoras mesmo que ainda haja problemas de distribuição e acesso. Esse é outro problema que não tira o direito da editora.
    Realmente, é preciso que empresas locais estabeleçam a distribuição online, hoje em dia a maioria das pessoas acompanham os mangás ainda em publicação semanalmente, simultaneamente ao resto do mundo, assim que os novos capítulos são publicados. Vejo que hoje o público quer mais se manter em dia do que manter uma coleção de volumes antigos.

    Mas é outra questão, outra discussão.

    Curtido por 4 pessoas

  7. Pois é, eu sou desse tempo do “código de honra”. Acho que tem gente mais nova chegando na área e acham que podem fazer tudo sem consequências (não é só nos scans, a internet em geral é assim XD)

    Curtido por 3 pessoas

  8. Tem lugar que dá pra ler, baixar e sem pagar nada. Pessoal muito acomodado, é só pesquisar no lugar certo. E digo mais: tem uma geração vindo aí que só lê mangá assim.

    Curtir

  9. Pelo amor de deus, o CARA COMPRO A LICENÇA, ELE FAZ A PORRA Q QUER. igual o MANINHO o KIRA DOS MANGAS. kkkkk achando q pode baixar o scan e imprimir e vender por ai kkkkk muita piada.

    Curtido por 2 pessoas

  10. Apesar do ataque político na postagem na tentativa de um humor forçado, a JBC bem que poderia colocar os títulos já lançados e fora de catálogo numa plataforma digital (como foi bem pontuado pela postagem). Não tem como ficar do lado com editora nenhuma por conta dos vacilos que temos nesse mercado atual.

    Estão teoricamente certos, afinal pagam direitos para usar aqui o material. Só que pecam na acessibilidade que é algo que eles deveriam pensar mais. Já que produções Japonesas sofrem pra embarcarem aqui.

    Curtido por 1 pessoa

  11. Olha, sendo bem sincero, acho que o Crunchyroll e a Netflix é que ganhariam mais tirando séries/filmes do ar.

    Simplesmente porque é tão prático ir para uma Netflix da vida que é no site ao lado do que correr nas bancas atrás de mangás físicos que, como você mesma citou, alguns estão até esgotados.

    E você mesma citou-os como serviços que conseguem lidar bem com a pirataria. O que pra mim só acentua como os problemas não são as scans, é a JBC.

    Aqui na minha região, é quase impossível eu achar os mangás que quero. Primeiro que tenho que ir em outra cidade comprar e segundo que mesmo nessa cidade é difícil de achar. E se chega, demora muito, mas muito tempo.

    Essa lógica de tirar serviço online pra fazer o pessoal comprar o físico é boba. E isso que me refiro às questões de logística, sem entrar nos méritos da editora. Afinal, leio só uns 2 mangás, então nem tenho como avaliar. Não sou nem o público da scan, nem o público da editora XD

    Mas queria comentar isso. Vlw, fui.

    Curtido por 2 pessoas

  12. Tá complicado ser consumidor de quadrinhos e mangás… no caso dos quadrinhos o brasileiro sofre com o delay de um ano (em alguns casos dois anos) nas publicações, os mangás por sua vez recebem excesso de anúncios e hypes desnecessários que se tornam verdadeiras desilusões por conta dos atrasos de publicação. A verdade é que TODAS as editoras se preocupam com o prejuízo mas não se preocupam com o consumidor, existem muitos outros problemas (como a disponibilidade das obras por exemplo) que desanima quem coleciona ou simplesmente quer acompanhar.a história.

    Curtir

  13. O que me fez rolar de rir é que no meio desse desabafo tão “exaltado” do sr. Lucas Saguista tem um “Achei bem infantil” HAHAHAHAHAHAHAHA
    Eu adoro quando as pessoas são uma bosta nas piadas que tentam fazer, mas acertam no humor involuntário.

    Curtido por 1 pessoa

  14. As editoras estão no direito legal delas ? Sim, estão
    As editoras fazem um bom serviço ao consumidor? Definitivamente não

    Nisekoi é um exemplo perfeito disso, o anime começou a ser exibido em Janeiro de 2014 , estamos em 2017 e cadê o mangá aqui no Brasil ? A Panini ainda não lançou, quem tinha aquele Hype de ler a obra na época da animação nem imaginava que isso iria vir pra cá, e agora que a obra vem, praticamente todos sabem o fim por conta dos spoilers na internet, os scans muitas vezes dão uma coisa que falta nas editoras daqui; fornecer conteúdo de forma rápida.

    Curtir

  15. hahahaha.

    O público atual da JBC é, com certeza, de crianças.

    Mas o fato é que eles descaracterizam mangás e chamam isso de “localização”.

    Curtir

  16. No final o cara fala que tá cagando pra JBC mas não parece já que ele ficou todo revoltado :p
    Isso pode até ter haver com o henshin drive, mas sei lá, isso me deixa com um pé atrás pq eu quero que o mangá venha pro Brasil de forma impressa e não digitalmente…

    Curtido por 1 pessoa

  17. Mas meteram o pau só na project mesmo, ou nas scans em geral? Não tô entendo direito e-e.-.
    Tipo, a project eu acho escrota mesmo, ganhando dinheiro em cima de mangá sobre os quais eles não tem direito nem nada. Tinha até um mangá em que a Scan deixava uma mensagem nos capítulos dizendo que não autorizava a project a usar a tradução deles e tals(claro, não é como se a scan tivesse os direitos sobre a obra também, mas, pô!).
    Tem mais é que tirar a porra toda que já foi publicada, ao meu ver.
    Claro, sobre os mangás esgotados, é uma situação meio embaçada ;/

    Curtir

  18. Essa carinha mencionado no print do post se acha o kira dos mangas pelo que vi na page do fb, chato e egocêntrico… coitado

    Curtir

  19. A editora paga a licença ao dono pra lançar material aqui. Ela pode mandar fechar quantas botegas quiser, pq está no ‘direito Legal’ dela. Ponto.
    Amanha, aparecem mais trocentos sites e blogs de scans, a maioria hospedado em servidor gringo.

    A editora tem esse direito? Sim.
    É juridicamente legal? Sim.
    Mas é um tiro no pé? Sim.

    Nesta terra de Santa Cruz – hoje chamada Brasil, as editoras de mangás fazem o que querem com seu público:

    Preços fora da realidade;
    Material de qualidade duvidosa;
    Hype desnecessário sobre títulos que são cancelados antes mesmo do lançamento;
    Guerra de “egos” com as concorrentes;
    Relançamentos de coisas jurássicas com “papel bonito”;

    E por aí vai.

    Existem problemas de distribuiçao graves, que nem sempre é culpa apenas dos correios.
    E aquela mentalidade tacanha, de que “nao podemos vender mangá a preços mais baixos pq mangá é coisa cult, nerd, pra nichos,” etc, etc e etc.

    Então, a realidade futura é:,

    Aposte, invista (sim, tempo, dinheiro e paciencia), crie e trabalhe nos e com mecanismos digitais de publicacao, pois do contrário, editoras de mangás estarão no mesmo caminho dos jornais impressos: fadados à falencia e esquecimento.

    Quanto aos scans, mesmo ilegais, proibidos e piratas, continuarão a existir em foruns, sites, blogs e afins da vida.

    Duvida? Napster, Real Media Player, Netflix e Crunchyroll sao exemplos práticos dessa historia que se “arrasta” desde que a internet se popularizou no fim dos anos 90.

    Curtir

  20. Vão tomar no cu PC’s. Seus merdas. Malditos preocupam-se com isso, enquanto o país rui. PC’s do caralho, servem somente pra encher o saco.

    Blog lixo. Ta cagando pra situação, só surfa na hype.

    Curtir

  21. Aaaaaaaaaah como é bom morar no BR…kkkkkk
    Enguato issssssso vou continuar ler os meus mangás nos sites por aeeeee….😋😋😋😋

    Curtir

  22. Eu acompanhei o começo dos lançamentos de mangás no Brasil, lá pelos meados de 2000 e 2001. O preço eram R$ 2,90. No entanto, a escrota da JBC, com a desculpa esfarrapada de que o papel estava caro, foi aumentando os preços. Mas a qualidade continuava a mesma metade de um volume completo (200 páginas). E assim, de 2, 90, passou para 3,50, 4,90 e foi para 5,90. Tenho três obras delas. Sinceramente, me arrependo de ter gasto dinheiro com materiais de baixa qualidade. A sorte é que sempre conservei minhas coisas muito bem. Não posso dizer o mesmo dos mangás dessa época. A mangasproject foi errada por querer lucrar, tão pouco concordo com ela. A maioria das editoras se esquecem do consumidor. E sinceramente, só porque você detém um direito de publicação, não quer dizer que se pode fazer isso sem um planejamento. Coisa que a JBC faz e não é de agora. Por mim, se for para publicar dessa forma, melhor cancelar. Além disso, eles tiveram todo o tempo do mundo para se modernizar na questão de projetos. Como todos sabem, os capítulos saem semanais e após 3 meses, mais ou menos, eles compilam e formam um volume único. Eles poderiam ter lançado um serviço de vendas de capítulos por sistema de assinaturas. Quando o volume estivesse completo, o assinante receberia. Poderia encarecer um pouco a assinatura? Sim, mas valeria a pena. Ou então, eles não cobrariam o volume completo (mas nesse país eu duvido muito disso). Tudo é uma questão de boa logística e visão de negócios.

    Curtir

  23. Estou achando uma tremenda palhaçada, primeiro pela “parte dos Scans” de se rebaixarem ao nivel de responder assim e segundo da editora por achar que comprar a licensa para publicar no Brasil é e dá direito ao controle total.
    Segundo, de acordo alguns, digo de acordo pq é o relato que fazem e tenho que acreditar uma vez que não estou la para ver e nao passo por isso e como nosso ordenamento juridico diz, (inocente até que se prove ao contrário) bom não tenho o pq duvidar, que eles comprar o mangá online direto do japão e traduzem, bom se é verdade ou nao isso eu nao posso confirmar mas e se eles já o faziam, não vejo como a ou as editoras poderia e deveriam barra isso, sendo que se não me engano pirataria é quando vc obtém alguma espécie de lucro ou proveito financeiro que prejudique os criadores da ou das obras em questão e de acordo com o relato deles os mangás são obtidos de forma licita. Eu a algum tempo atrás me deparei com um exemplo em uma aula da faculdade onde o prof disse que se eu copia-se o cd e vende-se estaria fazendo pirataria mas se apenas empresta-se não.
    Na boa acho muita palhaçada isso tudo principalmente pelo fato dos caras ja o fazerem ai vem um Zé e diz assim comprei os direitos vcs não podem mais fazer, sendo que esse mesmo Zé se apoiou no trabalho dos caras para isso, isso é justo, é legal, na boa acho uma tremenda palhaçada.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s