Mercado Nacional

Unidade fictícia, recall e regra oposta: os erros nos mangás da Panini

Errar é humano. É impossível um livro, post de site ou revista sair sem qualquer erro de digitação, e o máximo que dá para fazer é minimizar ao máximo esses equívocos com revisões atenciosas. Porém, os erros recentes da editora Panini que seguem viralizando nas redes sociais estão longe de ser apenas descuido: eles chegam a comprometer o entendimento da própria história dos respectivos mangás.

Fiz um apanhadão dos últimos problemas:

O maior caso foi no mangá We Never Learn. Em um balão do primeiro volume, no lugar de colocar a fala da personagem foi inserida a frase “mesmo tamanho do balão acima?“,  escrita provavelmente por alguém da equipe editorial.

Sem ter como se defender, a Panini já avisou em suas redes sociais que vai realizar um recall, ou seja, retirar os mangás com defeito e trocar por um volume com o texto correto. Para quem comprou na Loja Panini é mais fácil, pois eles já têm o cadastro, mas mesmo quem adquiriu em banca terá a possibilidade de mandar para a editora e receber um volume novo. Vamos ver se a logística da editora vai receber e mandar direitinho para todo mundo.

No final de semana, uma crítica apareceu nas redes sociais sobre o segundo volume de Jujutsu Kaisen. Nesta edição, o protagonista faz um pacto com o Sukuna para se tornar o grande protagonista que tem grandes poderes, mas para isso ele recebe instruções.

A segunda ordem é que o protagonista esqueça a promessa, mas a versão lançada pela Panini escreveu o completo oposto: “não se esqueça dessa promessa“. Até o momento a editora não se manifestou se vai realizar um recall por conta de um erro de tradução que dá outro sentido para a cena.

E, para terminar, Dr Stone também foi iluminado pelas trapalhadas editoriais. Foi compartilhada ontem nas redes sociais uma cena em que o protagonista Senku cria uma arma de choque de 100 mil volts. “Volt” é uma unidade usada universalmente, e por ser uma palavra estrangeira ela é escrita como “boruto” em japonês, com outros caracteres.

Porém, a pessoa responsável pela tradução não percebeu que se tratava de uma unidade de medida real, e inventou um “100 mil boltons“. O erro fica ainda pior quando lembramos que Dr Stone é um shonen de ciência, e usa entre um fanservice e outro processos químicos e físicos baseados na realidade. Novamente, sem qualquer manifestação da Panini.

Essa sequência de descuidos graves nas edições brasileiras pode significar duas coisas: ou a Panini não está conseguindo dar conta de tanta produção de mangás com seus atuais funcionários, ou então a Panini está lutando para conquistar mais um monopólio, o de notinhas de erro na imprensa especializada.