Aleatoriedades

De Elza Soares a políticos bolsonaristas: por que estão surgindo tantos otakus famosos?

Essa tem sido uma semana agitada para os otakus, e olha que nem é por causa do papo da Warner ter planos de desovar a Crunchyroll! Algumas pessoas famosas no Brasil assumiram publicamente o lado otaku, levando as pessoas ora à loucura e ora à vergonha. A cantora Elza Soares, o assessor especial da presidência Arthur Weintraub e o deputado conservador Douglas Garcia fizeram publicações revelando animes e mangás que tanto gostam, e embora estejam em lados opostos no campo da ideologia, a intenção de cada postagem parece ser bem parecida.

Vamos começar pela grande mulher do fim do mundo!

Por mais que Elza Soares pareça politica e ideologicamente ligada à temática de One Piece, o comentário da maior cantora deste país parece ser fruto apenas de uma equipe de social mídia atrás de engajamento. Sabendo que esse tipo de postagem gera atenção (em outra ocasião já teve um tweet da cantora falando sobre One Piece), “casualmente” sua equipe pode ter planejado uma postagem elogiando novamente a obra de Eiichiro Oda, dessa vez sem ser uma resposta a alguém.

E o plano deu certo: Elza Soares rapidamente apareceu como os temas mais comentados do dia no Twitter e logo já aproveitou a visibilidade para o merchanzinho básico:

Sou muito fã de Elza Soares e também acho que não existe idade para acompanhar animes e mangás, mas custo a acreditar que a cantora seja assídua de One Piece. Ainda mais porque essa em especial é uma série bem complicada de se acompanhar no Brasil. Elza veria legendado pela Crunchyroll? Viu o anime pelo SBT? Ela compra na banca no mês de lançamento para não perder o volume com a falta de reimpressão da Panini? Vai saber.

São declarações como a do tweet a seguir que me fazem ter todos os pés atrás com o lance do “Elza Soares otaka”, pois mais parece uma postagem feita por uma bem intencionada equipe de social mídia que se comunica com o vocabulário de uma adolescente de filme da Thalita Rebouças:

E agora chegamos ao post triste do dia, que foi o assessor especial da presidência Arthur Weintraub, irmão do ex-ministro da educação Abraham Weintraub, ter assumido publicamente que é otaku. O post surgiu três dias depois da cantora Elza Soares ir parar nos assuntos mais comentados do dia ao fazer uma confissão parecida:

Mas, assim como o próprio bolsonarismo, Arthur foi além na arte de se aproveitar de uma situação. O assessor especial criou um tweet primoroso em que atrai nostalgistas (lamentando a falta de anime na TV), faz uso de equívocos de informação (como usar a palavra “episódios” no lugar de “capítulos”) e ainda apresenta uma interpretação totalmente equivocada dos valores do protagonista do mangá Lobo Solitário.

A estratégia gerou um colosso do engajamento em redes sociais, com assunto para que muitas pessoas compartilhem a publicação, seja para concordar com a sandice ou para discordar e apontar equívocos. Vai me dizer que não é uma tentação divulgar um tweet desses? A Mikannn definiu muito bem como “um tweet que é quase um jogo dos sete erros“.

O deputado bolsonarista Douglas Garcia também respondeu à postagem com suas séries favoritas, Bleach e Naruto, deixando claro que acompanhou as histórias raízes sem dar atenção aos fillers:

É fato que animes e mangás são (ou deveriam ser) formas de entretenimento para todas as idades, mas os casos desta matéria me parecem uma tentativa de atrair um público mais jovem. Mas por que você gostaria de atrair essas pessoas?

Talvez você não faça ideia disso por motivos de bolhas nas redes sociais, mas tem muito jovem que é fã de anime e mangá no Brasil. Eles não necessariamente consomem os produtos por vias oficiais (e as empresas que trabalham com essas áreas talvez ignorem esse público), mas a quantidade de adolescente que admira animes e mangás é gigantesca. Basta ver o tamanho de comunidades como o Amino ou em outros ambientes mais… hm… jovens para ver como o negócio gera engajamento.

Flertar com o otakismo server não só para Elza Soares hitar na internet, mas também para divulgar sua nova música e quem sabe conseguir atrair a atenção de um público que não é necessariamente o que frequenta seus shows. Já os políticos parecem interessados no engajamento e em se aproximar de pessoas com menos experiência política para perpetuar os mesmos valores ~familiares~ que enxergam uma trama envolvendo um samurai renegado que assassina friamente por vingança na frente de uma criança.

Nesse lado em que temos as redes de Elza Soares falando que assistem a One Piece e políticos bolsonaristas colocando valores equivocados em séries que falam sobre o oposto, fico com Antonio Fagundes que foi a celebridade que interagiu com mais sinceridade nas redes sociais essa semana ao ser bloqueado por mandar 4 mil emojis de flor na rede social.