Vergonha Alheia Televisionada

O BBB 20 é o melhor anime da atual temporada

Enquanto 2019 foi o ano em que os otakus discutiam como o anime Demon Slayer – Kimetsu no Yaiba rendia GIFs animados belíssimos, o ano de 2020 não ofereceu ao público um anime à altura. A coisa está tão feia que os assuntos mais relevantes dos últimos tempos foram: 1- referências de Eizouken, 2- remake do filme do Mewtwo e 3- youtuber pendurando um quadro no seu quarto de um anime de anos atrás. Talvez essa falta de assunto tenha feito com que os otakus mirem para outro tipo de entretenimento, como o Big Brother Brasil 20, mas na verdade o reality show da Globo provou ser o melhor anime da temporada.

Para você que adora reforçar o quanto não assiste TV aberta há décadas (embora curiosamente saiba nomes de artistas e entrechos de novelas), o Big Brother Brasil é um reality show realizado pela Globo desde 2002 em que um grupo de pessoas são confinadas em uma residência em Curicica, e lá ficam até que uma pessoa se torne milionária. A atual edição, a de número 20, chamou a atenção das redes sociais e do público por ter um elenco composto metade por anônimos e metade por famosos (sendo que alguns famosos são mais anônimos que os próprios anônimos).

Recentemente tenho percebido que muitas pessoas otakas na timeline (muitas identificadas por fotos de anime no perfil) têm acompanhado o BBB 20, inclusive fazendo memes otakus sobre o jogo e seus participantes, e o motivo é simples: o BBB atende a todos os requisitos que o público quer de um anime de sucesso da temporada.

Veja bem: a premissa do BBB 20 consiste transportar um grupo de pessoas para uma outra realidade em que as regras normais da sociedade (como o respeito às leis de importunação sexual) não funcionam. Ou seja, o BBB 20 na verdade é um ISEKAI. Nesse mundo alternativo em que se aplica a mecânica de Battle Royale, pessoas rejeitadas pela sociedade normal (como Babu Santana ou o psicólogo Victor Hugo) passam a ganhar destaque nessa chance de ter uma nova vida do zero, o que é praticamente a proposta de Re:Zero.

Mas só mandar pessoas para um outro mundo não faz o BBB ser um anime, ou então o tokusatsu Bambuluá da Angélica também poderia ser considerada um anime, temos que ver também os personagens. Assim como um anime da temporada, o BBB20 aposta em grandes personagens que vão se transformando à medida que a história avança. Tudo isso através de arcos, como o Arco do Feijão Queimado e a Grande Saga do Quarto Branco que rendeu um duelo mental entre Prior e Manu Gavassi.

Um dos destaques atuais inclusive é Felipe Prior, que cumpre a cota Sasuke de antagonista que passa a ser anti-herói ao ser confrontado seguidamente pelo grupo maioritário da casa (que se autodenominou Exército das Fadas Sensatas). O infográfico abaixo mostra como Felipe Prior segue exatamente a cartilha da Jornada do Herói, passando por todas as etapas necessárias para que tenha um crescimento pessoal e que se torne um personagem torcível por parte do público.

Se observarmos atentamente, o BBB 20 remete a muitos outros animes de sucesso no Brasil. As maquinações de Pyong remetem aos jogos mentais de Death Note, Babu e Thelma trazem passados dramáticos como em One Piece, Marcela corresponde ao protagonista corrompido após conhecer a personificação das sombras encarnada em um loiro colono e Flayslane já conseguiu falecer mais vezes que o próprio Kuririn. Assim como num roteiro escrito por Eiichiro Oda, nenhum personagem é irrelevante: todos eles têm seu momento de brilhar.

O sucesso do Big Brother Brasil 20 no meio otaku pode ser justificado por duas vertentes importantes. Por um lado, podemos entender que o atual mercado japonês está falhando na função de oferecer entretenimento na atual temporada, mas também é possível enxergar que o público otaku, tão aficionado por uma cultura popular japonesa, passou a ver com menos preconceitos um entretenimento popular da nossa própria cultura.

Pode ser uma coisa, a outra ou até as duas ao mesmo tempo.