Eventos

7 coisas imperdíveis na BGS 2019 para você otaku

Desde o aumento da relevância deste site (ou queda na relevância da concorrência, vai saber), tenho feito cobertura de diversos eventos em toda a capital paulista. Anos de vivência em eventos de otakus pelos quatro cantos da cidade já me fazem ter uma overdose de lojinha de funko e plaquinha de gente oferecendo abraço de graça, mas e os outros tipos de evento? O que tenho a dizer sobre os gamers do meu Brasil?

Bem, nessa semana está rolando a BGS 2019 – Brasil Game Show, o maior evento de games aqui de São Paulo, e ele promete várias atividades para os aficionados em joguinhos. Mas um otaku teria o que fazer lá dentro? Há exaltação da cultura gamística vinda do oriente? Claro que sim! Preparei uma listinha com sete coisas para um otaku fazer nesses dias de evento.

#1. Palestras e atrações com artistas internacionais

Ao contrário de eventos otakus que preferem reunir artistas dos anos 80 para performar pela enésima vez a abertura de tokusatsu da Manchete, a BGS segue trazendo gente da atualidade para conversar sobre o mercado de games e os jogos nos quais trabalharam. Aliás, isso é algo que os eventos de anime precisam aprender: tem muito convidado interessante, que renderia um bate papo super legal, e que não é necessariamente um cantor.

Entre os destaques orientais deste ano estão Hidetaka Miyazaki, o homem por trás de Sekiro e da série Souls, e Yoshinori Ono, que a essa altura já é radicado no Brasil e mora numa quitinete ao lado do metrô São Joaquim. Já no campo música, Shota Nakama (posso aguardar o seu riso de quinta-série) voltou com a Video Game Orchestra, uma apresentação musical que será realizada na sexta-feira e no sábado, e cujo setlist já ganhou muitos pontos por ter incluído a deliciosamente cafona “Snake Eater”.

#2. Grandes estandes com brindes

Separe um espacinho na bolsa porque todas as empresas ali querem te conquistar pelos brindes. Qualquer tropeçada que você der na BGS já garante um pôster para levar para casa, daqueles que você promete enquadrar mas apenas acumula papel há uns três anos.

No quesito mimo, vale a pena tirar uma foto em Galar no estande da Nintendo, pois lá tem um fundo verde para você fotografar em uma paisagem do novo continente de Pokémon. Recomendo apenas não ir com uma blusa verde pois senão você verá apenas sua cabeça flutuante na foto. Já no quesito utilidade, recomendo o brinde dado pelo estande da Crunchyroll que serve para afixar o celular na mão. O mimo é garantido se você vende sua alma ao diabo dos gachas e baixa o jogo Grand Summoners.

#3. Luigi’s Mansion, Nioh 2 e Final Fantasy 7

Além dos já tradicionais Fifinha e Just Dance, muitos jogos japoneses abrilhantam o evento. Luigi’s Mansion 3 (que sai no final do mês para Switch) pode ser jogado no gigantesco estande da Nintendo, em uma fila até que bem rápida. É a única atração inédita do estande, afinal a Nintendo esqueceu que não existe representação dela no Brasil e pensou “ah, vamos colocar coisas que lançamos no Switch há anos mesmo e pronto”.

Obs: o leitor Jones Cabeludo lembrou nos comentários que o jogo é canadense, então para encaixá-lo nessa lista vou considerar originalmente japonês porque a criação do Luigi veio de lá. Obrigada pelo toque!

Nioh 2 e Final Fantasy 7 são duas atrações no estande da Sony, que novamente tenta trazer praticidade ao público através de um sistema de reserva de fila no aplicativo PlayStation Experience. Nele você pode reservar um horário fixo para jogar as atrações do estande, horário esse que será totalmente desrespeitado pela equipe do estande, isso quando não furarem a fila para algum digital influencer jogar.

Embora não seja jogável, você ainda pode usar o aplicativo da Sony para reservar uma assistida ao trailer de 25 minutos de Death Stranding – A Hideo Kojima Game em que provavelmente Kojima tentará te vender como sensacional mais alguma ideia maluca que, se fosse proposta por qualquer outro game designer, seria rejeitada por público e crítica.

#4. Mangás da Panini com desconto

A Panini sentiu o cheiro do otaku money e montou um estande na BGS. Além das tradicionais assinaturas, que são tão recomendadas quanto praticar natação após ir a um rodízio de comida japonesa, a editora colocou mangás a 20% de desconto. Considerando o preço elevado do negócio, está ótimo né? Mas uma pena que poucos títulos estão lá, como Pokémon, Zelda, Dragon Ball Super, Naruto e edições não tão recentes assim de One Piece.

#5. Área para você largar seu amigo nostálgico

Existe uma área com dezenas e dezenas de pinballs e arcades clássicos. Se você for com alguém com forte veia nostálgica e que vai se irritar de encarar filar para jogar essas modernidades, pode largar a pessoa aí e curtir o evento.

#6. Bonequinhos de animes

Saiba que tem estandes familiares para te deixar como num Anime Friends. Tem estande pra venda de card game de Pokémon, camisetas de anime de coleções recentes e bonitas (alô Piticas, me mande uma camiseta do Majin Boo), lojinha de Funko e até mesmo lugar com touquinha otaka e plaquinha para pedir abraços. É quase um Anime Friends, mas sem o risco de esbarrar no Akira Kushida.

#7. Dakimakura do Sans

É só esse o motivo mesmo. Muito obrigado e nos vemos nos demais dias da BGS!

6 comentários em “7 coisas imperdíveis na BGS 2019 para você otaku

  1. Luigi’s Mansion 3 é canadense, desenvolvido pela Next Level Games. :P

    Essa feira é uma das maiores do mundo, mas pelo menos aqui na minha cidade, não vi divulgação alguma. Nem sabia que tava rolando.

    Curtir

  2. Sempre rola uma entrada grátis quem e imprensa (pff) especializada, não precisa ser de games.

    Ainda mais que é tratado tudo como algo misturado por aqui.

    Curtir

  3. Mara, você viu que os primeiros episódios de Blade entraram no Prime Video direto com legenda e disponíveis aqui o BR? Porém selecionando a legenda em português, na verdade fica com legendas em espanhol. ELES QUASE FIZERAM CERTO DESTA VEZ!

    Curtir

Os comentários estão fechados.