Problematizando

Qual o problema com as dancinhas em séries Super Sentai?

Várias vezes falei aqui no site sobre otakus e suas particularidades, mas poucas foram as vezes que tive a chance de falar sobre esse pequeno nicho dos tokusatsu, cujos fãs são chamados de tokukus (por mim, afinal nunca lembro se tem um termo melhor). E a estreia recente de Kishiryu Sentai Ryusoulger, e o encerramento ~controverso~, me parece uma ótima oportunidade de falar sobre o tema.

Para você que talvez não entenda, Kishiryu Sentai Ryousoulger é a série Super Sentai de 2019 produzida pela Toei e exibida no Japão. Super Sentai são as versões originais de Power Rangers, ou seja, séries anuais que escolhem um tema qualquer e botam cerca de cinco japoneses com roupa colada lutando contra monstros que são vencidos por um robô gigante. Tal qual o grande dorama brasileiro Malhação, cada série é uma coisa única e não tem ligação com a série anterior.

Mas qual a treta de Ryusoulger? A série, cujo tema do ano é algo inédito e super-criativo… dinossauros, foi exibida no Japão e algumas pessoas aqui desse lado do Globo ficaram incomodadas com o encerramento. Mais especificamente, por isso:

Caso o tweet acima não exista mais quando você estiver lendo a matéria, registrei alguns momentos em gifs animados. Perdão por comer seu créditos:

Basicamente: o encerramento de Ryusoulger traz todos os rangers coreografadinhos e dançando uma música super alegre e infantil. E isso incomoda uma galera.

Não digo que são todos (até porque nem convivo tanto com esse meio), mas existem aqueles que rejeitam um pouco qualquer traço mais infantil numa série de super sentai. Um pessoal, que cresceu programas “sérios” com Jaspion, Changeman e Goggle V, diz que os seriados de tokusatsu ficaram mais bobos com o passar do tempo, e até se chateiam por séries assim não trazerem seriedade e violência como outrora.

Antes de mais nada, uma coisa precisa ficar bem clara aqui: séries tokusatsu como os Super Sentai, ou mesmo Kamen Riders e Ultramens da vida são programas para CRIANÇAS. E não há problema nisso! Pokémon, por exemplo, é um anime feito apenas pra vender brinquedo pra criança, mas nada impede que um adulto assista e se divirta. O que não dá é esse mesmo adulto começar a reclamar que não tem sangue em Pokémon.

Ninguém na Toei planeja o tokusatsu daquele ano pensando “qual trama podemos fazer para agradar nosso público de longa data?”, eles pensam “quantos robôs podemos enfiar nisso aqui pra vender uma caralhada de dinheiro?“. A empresa tem todo um estudo que identifica o que o público alvo (as crianças) quer consumir, e a série serve para atender a essa demanda. Inclusive a dancinha, que tem como objetivo vender música e estimular as crianças a imitarem como num Just Dance. É o mesmo princípio do encerramento de Yokai Watch, por exemplo.

Outro grande erro é a comparação com ambientação supostamente séria de tokusatsu do passado. Eles também eram para o público mais novo, só que na época o público recebia as coisas de um jeito diferente. E conceitos de “ah, mas era mais violento e sérios” são coisas que mudam com o tempo… e essas séries citadas já possuem mais de 30 anos de história. Goggle V mesmo, que eu citei acima, é mais velha que Jaspion e Changeman e o tema super-sério era… atletismo. Tinha herói que lutava com uma fita de ginástica olímpica.

Atualmente os personagens de tokusatsu são mais coloridos (e espalhafatosos) porque é uma tendência atual que vende e funciona com o público alvo infantil japonês que compra os brinquedos. Tanto é que, quando rola a adaptação para Power Rangers, normalmente eles maneiram um pouco no fator “galhofa” porque o público ocidental acha isso mais risível (mas ainda fica bem pouco adulto, afinal é para criança).

 

Mas eu gostaria de comentar também o peso do fator DANÇA, e tento entender o problemas a respeito de algo tão saudável. Cresci nos anos 90 cercada de muito Cavaleiros do Zodíaco e tazos, mas sempre observei como “dança” sempre foi algo “de menina“. Naquele tempo, qualquer homem que viesse a sentir vontade de performar alguma coreografia (e olha que estávamos nos anos 90, o que mais tinha era coreografia legal de música) era taxado de “viado” pra baixo, reprimindo qualquer vontade de se divertir com algo bem humano. Se você viveu essa época, tente lembrar como qualquer homem que viesse a dançar na mídia (pode ser o Jacaré do Tchan, o Xanddy do Harmonia do Samba ou os Backstreet Boys) eram taxado de “gay” pelos rapazes. Tudo porque dança era algo supostamente do sexo feminino na mente da sociedade no geral.

Conheço muito homem que, no presente, é extremamente travado com danças e afins porque havia todo esse estigma negativo disso em décadas anteriores. Rolou um bloqueio mesmo! Não vou botar o nome do termo que explica bem isso, mas vocês já devem ter imaginado o nome que se dá a negócio que causa homens serem reprimidos por medo de parecerem “mulherzinhas” ou “viados” para a sociedade. Felizmente isso mudou bastante nas gerações posteriores, e é só notar como é super natural gerações mais novas dançarem sem qualquer problema. O sucesso de jogos como Just Dance está aí para mostrar como dança se tornou algo legal/cool para todos os gêneros.

Mas voltando ao tokusatsu… Ryusoulger não é o primeiro super sentai a trazer coreografia (teve uma temporada aí que os rangers davam uma sambadinha na hora de morfar) e está tudo bem parecer algo infantil porque é destinado a crianças. Você adulto pode ver à vontade e se divertir, mas não adianta reclamar porque você não é o público alvo. E se você quer tokusatsu com violência, sangue e zero coreografias, você sempre pode ir atrás de coisas como Garo e Kamen Rider Amazon, pois essas séries destinadas a adultos podem atender seu requisito.

A lição final que fica é: DEIXA AS CRIANÇAS DANÇAREM EM PAZ! E se mesmo assim você quiser implicar e ressuscitar uma suposta seriedade das produções do passado, vamos lembrar que o Jaspion dançava no encerramento da série dele e ninguém aí reclamava.

34 comentários em “Qual o problema com as dancinhas em séries Super Sentai?

  1. Leiam os comentários do vídeo de encerramento do Jaspion que a Mara colou no fim do post.

    Bando de macho de meia idade com saudade da infância, é a coisa mais triste que li hoje

    Curtido por 3 pessoas

  2. Vendo essa matéria me lembrei que hoje eu vi um grupo de 5 homens falando que fazer yoga e dançar é coisa de baitola (baitola = gay aqui no Ceará), e eu fico pensando o quão pequeno esse pensamento é. Misturando isso com a matéria, vejo que é recente essa reclamação (recente = circa 5 anos), e calha com esse movimento de querer tornar tudo mais… Másculo. Uma bobagem sem tamanho.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Texto excelente!

    Eu e meu irmão somos viciados em Super sentai. Eu tenho 33 e ele tem 30, eu sou casado, tenho um filho de 10 meses e assisto de boa e me divirto. Não cobro uma trama espetacular de Sentais exatamente por ter em mente que eu não sou o publico alvo daquilo: eu to curtindo meio que de intrometido pois eles são feitos para a molecada!

    em Magiranger o encerramento tambem é uma dancinha é eu acho muito engraçado e empolgante. Não saio dançando porque sou meio travado mas acho divertido!

    Pior coisa que existe é marmanjo saudosista querendo comparar programa da epoca dele com os de hoje.

    Curtido por 4 pessoas

  4. Na verdade as series se tornaram mais infantis sim, e comparar a dança desses sentais de agora com a do Jaspion e meio sem criterio. Ate porque nao ha enfoque nisso dentro da serie quanto nas atuais.

    Na epoca havia algo de passar mais seriedade dentro de uma limitacao. Alias, ate mesmo em filmes ocidentais existia isso como em filmes bagaceiros dos anos 80 e 90. Quanto a perda disso e uma outra historia.

    Geralmente nao me agrada muitos sentais atuais por uma serie de fatores um deles e o desing.

    Qianto ao problema dancar ou nao existem dancas e dancas e quem as goste ou nao goste. Toda essa discussao em torno disso e achar pelo em ovo. Ah me esqueci que este blog virou especialista nisso com passar dos anos :P

    Curtir

  5. Acho engraçado essa galera q n consegue conviver bem com o q gosta, porra reclama de dança (q tá bem hilaria por sinal) e q programa destinado a crianças é infatil. Pelo amor de Deus.
    Aceita q Tokusatsu é algo pra criançada e seja feliz, n tem problema se vc curte.

    E pra quem curtia e n curte mais, camarada só aceita q tu envelheceu e q viu q n é pra vc mais e larga esse manto ilusório da nostálgica cega, onde acha q tudo antigo era melhor.

    Curtido por 2 pessoas

  6. Muito bom o texto. A maioria do pessoal que reclama sabe de tudo isso é reclama só pelo prazer de fazer rolo.
    O mercado desse tipo de produto mudou muito, e resta aos fãs old school aceitar ou se contentar com a nostalgia.

    PS: em termos de mudança nos roteiros, eu lembro que quando assistia Maskman, achava o roteiro bem obscuro e sem muito humor. Eu curtia. Talvez se for rever hoje, ache pastelão.

    Curtido por 2 pessoas

  7. Sim eu concordo em continuar tendo as dancinhas de encerramento mas colocar dancinha nas morfagem e muito exagero

    Curtir

  8. Os Tokusatsus são infantis?
    Nunca vi tanta baboseira numa matéria sobre o tema.

    Curtir

  9. “mas que absurdo, os tokusatsu hoje em dia estão tudo infantil!” – Falou a pessoa que só assistiu Jaspion e consagrados na época e nunca mais reviu ou assistiu algo novo.
    zzzzzzz preguiça demais desses viúvos, ta maluco.

    Curtido por 1 pessoa

  10. Mas como assim, Mara, sua gorda comunista que apoia o ditador da Venezuela pelos motivos 123fodasevouinventarqualquermerda, mas é claro que os tokusatsus são claramente feitos para adultos, dançinha é coiza de comunista pipipi popopo, esses viadinhos cornos nutela que nunca viram Jáspiom e quer falar de tokusatsus nutelinhas xeios de dançinha, seus retardados que querem impor eçe marquiçismo cultural no nosso país.
    (i r o n i a só pra deixar claro)

    Curtido por 1 pessoa

  11. “Os Tokusatsus são infantis?
    Nunca vi tanta baboseira numa matéria sobre o tema”

    kkkkkkkkkkkkkj o cara incorporou a Peppa agora “eu gosto disso, é muito adulto”

    Curtido por 2 pessoas

  12. “É só um desabafo gente, não vai ter post”

    “Só acho engraçado que…”

    Curtir

  13. UE, mas sempre teve dancinha, o único que não teve foi lupinranger vs patranhas do ano passado, se não gostam, só pular, ou não assistir, pronto.
    B3ijos de luz

    Curtido por 1 pessoa

  14. É tokusatsu com futuro distópico que vocês querem? Passando na TV aberta também?
    Senta aí, vamos conversar…

    Curtir

  15. Poxa até kyuranger tem uma dancinha no final olha pode até da certo nos sentai mas colocar isso nos power rangers nao

    Curtir

  16. Olha não tem como comparar uma série com outra por exemplo dize que power rangers tinha q ter o mesmo projeto q sentai só algumas coisas ter team up igual os sentai exemplo dino charge vs ninja steel ñ teve no sentai eu acho q nos sentai tão arrebentando demais mais só q na adaptação americana dos power rangers falta mais uma coisinha pra ficar mais show no que é

    Curtir

  17. Olha eu acho que estão elevando demais as coisas só pra criança se dizem que sentai e power rangers São trazidos para as crianças então nos dizem por que os super sentai tem que dialogar que quando os sentai apresentam sinais de sangue e os rangers não olha tem muitas coisas q apresentam violência e as crianças assistam porque power rangers e sentai ñ?

    Curtir

  18. Foi-se a época em que as pessoas não ligavam para coisas que aparentemente são pequenas, mas que a galera que tá acostumada a reclamar de qualquer coisa faz pra querem atenção, eu sou dos anos 90, sempre assistir essas séries citadas no texto como Jaspion, Maskman, Changman entre outros na época da Saudosa Manchete(Hoje Rede TV), claro que pra mim foi um pouco difícil me adaptar as séries de hoje, mas eu posso dizer com toda a certeza: as séries hoje são mais atrativas que as antigas por conta dessas dancinhas ou algo do gênero, pois a criançada de hoje gosta disso, quer se expressar, eu que sou dos anos 90 me agradei muito com essas dancinhas, pois elas trazem pra mim o teor nostálgico(eu sou coreógrafo formado, e fazia muito cover de Nsync e Backstreet Boys nos anos 2000) pois isso lembra meu fim de infância e inicio de Adolescência, então mesmo adorando as séries antigas, eu gosto muito das atuais pq elas tem esse apelo pra criançada se divertir e se imaginar nas séries, o que acarreta uma movimentação na economia e na compra de produtos dessas séries.

    até eu consumo isso…mesmo com meus 31 anos, pois é legal pra carai……

    #VivaOTokusatsu

    Curtir

  19. “Naquele tempo, qualquer homem que viesse a sentir vontade de performar alguma coreografia (e olha que estávamos nos anos 90, o que mais tinha era coreografia legal de música) era taxado de “viado” pra baixo”

    Vivi os anos 90 e posso atestar que não era bem assim. Não era a maioria das pessoas que achava isso como o autor do post colocou. Lembro que era super normal ir nas danceterias e ver homens dançando, fazendo coreografia do Tchan. Claro que tinha uma minoria que gostava de tirar sarro, nas eram pouquíssimos mesmo, normalmente aqueles bullys da escola, mas garanto que era uma febre dançar nos anos 90 e raramente tinha algum problema nisso.

    Curtir

  20. 1) Como o Sr. Talude disse lá em cima, os Maskmen têm uma coreografia na abertura do seu episódio pra cinema. E, quando começa o ataque do Império Tube (um terremoto que derruba todos no chão), os heróis estão no mesmo local em que houve o número musical, com as mesmas roupas. Ou seja: a dancinha FEZ PARTE do episódio! O que significa que os heróis estavam lá, conversando na beira da piscina, sentiram uma alegria imensa e resolveram manifestá-la na forma de passos coreografados…

    2) Pelo que andei lendo, os sentais andam meio que seguindo um ciclo de cinco anos, acompanhando a idade do público. Começa com uma série com tema de dinossauros, bem leve e bem-humorada; depois vão aumentando o grau de “seriedade” até chegar na quinta, que é comemorativa do aniversário da franquia, com um pequeno boletim retrospectivo pós-créditos… E no ano seguinte volta-se ao bem-humorado com dinossauros;

    3) Goggle Five era algo estranho… Queriam refletir a popularidade da ginástica rítmica (que atraía a atenção do Japão e do Mundo na época, com as performances incríveis de atletas como Nadia Comaneci e outras, sobretudo do Leste Europeu) com um grupo que usava golpes inspitados no esporte, mas fizeram isso através de um grupo de quatro homens e uma mulher. Isso para um esporte exclusivamente feminino. Podiam ter introduzido algum “esquadrão paralelo” só de garotas ginastas, ou ao menos colocado duas mulheres no bando (o que anteciparia em dois anos os “Biomen”);

    4) Alguém do meio editorial super-heroístico norte-americano precisa ler esta matéria. Faz décadas que o gênero chegou no máximo de seriedade a que histórias sobre gente fantasiada batendo em outros fantasiados podem chegar. Mas os fãs-virados-em-escritores vivem querendo passar desse limute, freqüentemente com resultados entre o risível e o catastrófico.

    Curtir

  21. Até que enfim alguém falou!! Aqui a gente trata com algo muito adulto (alguns filmes até tem essa tematica mais adulta, como o kamen rider shin, que tem até nudez, mas são exceção), só porque tokusatsu no Brasil é o retrato de uma determinada época que os barbados, saudosos de tv globinho, insistem em querer reviver, e os que viveram essa época estão entre 30 e 40 (ou mais, em se tratando de national kid). Essa turminha se esquece que, embora algumas series ultra e os kamen rider tenham seus fãs adultos, a maioria dos tokusatsus, sentai em especial, é como se fosse a galinha pintadinha, e o publico alvo são crianças até uns 12 anos.

    Curtir

  22. Kamen rider e para um publico adolescente /infantil e bem supet sentai trata as crianças como retardadas e sabemos que desenhos infantis como Gunball , Avatar e Stevie Universe sabem ser desenhos que não tratam as crianças como se fosse burras.

    Curtir

  23. Tinha que enfiar alguma problematizaçãozinha no meio e umas escorregadas de leve, mas tenho que concordar com o argumento principal do texto. Os fãs de tokusatsus tem que parar de ser uns chatos e encrencar com algo, se eles não são o público-alvo. Graças a gente com essas ideias de fazer um negócio serião, dark e adulto, que nascem coisas estranhas, como aquele filme lá e certas fanfics distópicas de outra série também citada nesse texto.

    Curtir

  24. Eu tinha 16 anos na época dos mamonas mas danço robocop gay e vira vira até hoje com 3.9.
    Claro, isso é uma excessão. Falemos de tokusatsus.
    Nah, falemos não. É bobagem. Meu sobrinho mais novo adora esses novos aí e eu prefiro flashman e metalder, então, tudo certo.

    Curtir

  25. Só pra corrigir uns erros de digitação no meu comentário anterior:

    No 3º parágrafo, 4ª linha: é “…golpes INSPIRADOS no esporte…”;

    E no 4º parágrafo, também 4ª linha, é “…passar desse LIMITE…”.

    Desculpem, e obrigado!

    Curtir

Os comentários estão fechados.