Editora Alto Astral oferece serviço inédito de curadoria para capítulos de mangás

17 jan

Se o mercado já está complicado para a Panini, JBC e NewPOP, o que dizer das Editoras do Grupo de Acesso? Esse grupo, formado pelas editoras Nova Sampa, L&PM, Alto Astral etc tentam comer pelas beiradas e, para isso, precisam oferecer alternativas que as outras não apresentam. Enquanto a Nova Sampa enche nossas bancas com mangás invisíveis e a L&PM lança adaptações mangazísticas de livros que sempre me senti culpada por não ler, a Alto Astral entrou na vanguarda e criou um inédito serviço de curadoria de conteúdo para capítulos de seus mangás.

Para entender como funciona esse serviço, IKIMASU ver esse print que apareceu em todos os sites da Imprensa Especializada (pff), como o Biblioteca Brasileira de Mangás:

curadoria-alto-astral

O leitor aparentemente tá putíssimo porque a Alto Astral cortou 40 páginas do hentaizão, mas na verdade ele apenas não compreendeu o serviço. Como a Alto Astral julgou que o último capítulo desse mangá era apenas um epílogo sem graça, ela simplesmente decidiu cortar para que os leitores não se frustrassem. Imagina se acontece de o leitor do mangá ler um epílogo tipo o do Harry Potter e começa a odiar a história?? Um horror!

E o serviço de curadoria não parou apenas aí, porque a Alto Astral tem dados estatísticos mostrando quantas páginas um leitor de mangá médio aguenta ler, e por isso se esforçou para encaixar seus títulos nesse slot de 160 páginas. Você pode até usar a desculpa que eles querem economizar papel, mas isso tem outro nome: CARINHO. Esse carinho com o leitor é algo que não vemos com tanta frequência assim.

Vale lembrar que antigamente a Panini já ensaiou esse serviço de curadoria. O sexto e último volume de Guin Saga não foi lançado pela editora porque, segundo eles, o volume final nem era tão legal assim:

guin-saga-1

guin-saga-2

Anúncios

14 Respostas to “Editora Alto Astral oferece serviço inédito de curadoria para capítulos de mangás”

  1. Togashi trabalhador 17/01/2017 às 11:23 #

    Não quero ninguém dando palpite nos meus hentaizãos, ora!
    Sou eu quem decido quais tentáculos são importantes pro desenvolvimento da história e quais são elementos visuais descartáveis, porém não menos importante

    Curtido por 1 pessoa

  2. BK 17/01/2017 às 13:11 #

    Vocês estão reclamando de barriga cheia.

    Na época da Ed. Abril eles reescreviam diálogos para que nós burros pudéssemos entender a história.

    Quem somos nós para entender Alan Moore. o editor da abril entendia e resumia pra gente.

    isso é carinho

    Curtir

  3. Naja 17/01/2017 às 16:51 #

    Melhor ir ler no KissManga mesmo…

    Curtir

  4. Panino Manino 17/01/2017 às 17:07 #

    Esse segundo caso da Panini especialmente me fez lembrar do mangá With the Light que a autora também morreu, mas enquanto ainda conseguia segurar um lápis ela rabiscou um final para a história é foi publicado daquele jeito.

    O caso da Astral é um que é exemplo de editora que não deveria publicar nada.
    Os mangás deles tem um número fixo de páginas e elas adaptam as obras para se encaixarem no limite deles?
    Número de páginas de mangá varia, pode ser 160, 180, 200, 220, 250… Quem tem que se adaptar é a editora para entregar o mangá da maneira como foi planejado, não o contrário.

    É aquela questão de gráficas que eu comentei anos atrás?
    Ainda existe um cartel supernatural de papel e impressão?
    Ao invés de sonharmos com editoras melhores seria mais benéfico criar uma empresa de celulose e impressão mais competitiva.

    Curtido por 2 pessoas

  5. The Fool 17/01/2017 às 17:18 #

    @ Panino: que foi esse bafafá das gráficas aí?

    Curtir

  6. Panino Manino 18/01/2017 às 09:59 #

    @The Fool
    Por que o papel e a impressão aumentaram e encareceram os mangás? Por que não tem outro jeito que não aumentar o preço é usar papel de pior qualidade?
    Vi um estudo do setor e somos os maiores produtores de celulose
    Temos todas as melhores condições, só que não temos capacidade para transformar essa celulose em papel. Até somos suficientes só que o papel que produzimos é pouco e mais caro que o que outros países conseguem usando nossa própria celulose.
    Para piorar, a partir de 2013 nossa produção de celulose aumentou muito, o dólar valorizou e tornou nossa celulose mais barata, que é comprada e volta como papel importado, com o mesmo dólar valorizado, mais cara. Ao mesmo tempo nossa produção de papel diminuiu. A situação apenas aumentou a competitividade de produtores estrangeiros em nisso próprio mercado, uma situação ridícula.
    Por isso que eu disse, não precisamos de mais editoras, prevíamos é de mais fábricas de papel, e de tinta também que é cara.

    Curtido por 2 pessoas

  7. The Fool 18/01/2017 às 12:56 #

    @Panino: Isso explica porque em alguns casos mandam imprimir as coisas na China.
    Quantas empresas de papel tem aqui no Brasil?

    Curtir

  8. Panino Manino 18/01/2017 às 14:15 #

    @The Fool
    Estão imprimindo na China?
    Não sei responder a pergunta, mas acho que menos de 500, a maioria em SP e Sul. O mais importante é qual tipo de papel elas produzem. O Papel Imprensa por exemplo 70% dele é importado, e desses 80% estavam vindo do Canadá. O Brite é derivado dele e bastante usado nos mangás é produzido por apenas uma empresa brasileira. Uma única empresa produzir sem competição interna também é ruim.
    Pelo menos é o que eu consegui entender lendo relatórios do setor.
    Então, desvalorização da moeda, incapacidade de suprir demanda interna, queda de produção, fora todas as outras variáveis, o resultado é aumento de preço.

    Curtido por 2 pessoas

  9. The Fool 18/01/2017 às 14:36 #

    @Panino: Eu não lembro onde foi que eu li, acho que foi no site da Biblioteca Brasileira de Mangás, uma nota sobre uma editora que tava mandando as coisas pra imprimir na China.
    Mas como tu disse, se só tem uma empresa que produz papel aqui no Brasil, isso é péssimo, em todos os sentidos.

    Curtir

  10. KJr. 18/01/2017 às 16:31 #

    @Panino @The Fool
    Mangás não sei, mas vários encadernados DC/Marvel são impressos na Ásia.

    Curtir

  11. Icarix Ace 19/01/2017 às 09:09 #

    A Abril chegou a fazer vários encadernados Disney das que lança regularmente, mas diminuiu a quantidade por conta de atrasos na entrega dos volumes que vinham da China, no começo

    Curtir

  12. Marcy M. 19/01/2017 às 10:24 #

    Eu já li Hamlet através de uma das adaptações mangazísticas da L&PM. Até que curti.

    Curtir

  13. Rodrigo Silveira 22/01/2017 às 14:48 #

    Ouvi falar que a Alto Astral comprou os direitos de Dragon Ball,vai ser a primeira vez no Brasil,que Freeza,Cell e Majin Buu não serão derrotados kkk,imagina,nas 160 páginas da Alto Astral,vilão nenhum vai morrer.

    Curtir

  14. Kutabare Mudafuka-kun 30/01/2017 às 04:06 #

    Comixology e Amazon mandam lembranças. Esse Bostil é uma piada em todos os sentidos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: