Alguém me explica? (Rayearth Edition)

21 out

Sei que está mais fácil encontrar coerência no preço do Playstation 4 no Burajiru que um post novo no Mais de Oito Mil, até porque nosso meio especializado tá com tantas notícias que semana passada eu tava falando bem  de um evento de Cavaleiros do Zodíaco Ômega. Mas eu tava vendo um post da Henshin escrito pelo meu ex-querido Kitsune (otakus virgens espalharão boatos de nossa separação) sobre as curiosidades dos nomes das Guerreiras Mágicas (post muito bom, até).

Mas aí chegou a seguinte parte:

raynomes01

Kitsune explicou que os nomes das meninas representam as palavras “Luz”, “Mar” e “Vento”. Entendi. E depois ele veio falar que, para manter esse significado, a JBC decidiu mandar os nomes da dublagem brasileira para a casa do caralho e adotar os nomes japoneses.

Então, não sei vocês, mas qualquer outra desculpa da JBC soaria mais coerente que essa. Até preparei uma minilista de desculpas possíveis para a adoção dos nomes originais:

1- As ~ meninas~ do CLAMP visitaram a Aparecida Liberato e ela mandou que usassem os nomes originais para equilibrar o chi.

2- O sindicato dos tatuadores do Burajiru exigiu o nome original para que pudessem vender o desenho dos kanjis deles para sua clientela otaka

3- Cassius Medaurar teve ideias ótimas para trocadilhos com os nomes japoneses para usar naquelas seções de carta (CARTA!) que ele tenta emplacar em todo mangá como se estivéssemos em 2000

4- Mário Lúcio de Freitas (entrevistamos ele, lembra?) decidiu assumir a autoria dos nomes e exigiu da JBC um valor equivalente a cinco PS4 e a coleção completa da edição definitiva de Death Note, um valor que levaria a editora à falência

“Mara, sua gorda que apagou acidentalmente o save de Pokémon X do namorado após 15h de jogo, você falou que era uma minilista, você precisa terminar o post!”

5- (Só mais um!) A Newpop comprou os nomes dublados das protagonistas para sabotar a JBC, fruto de um plano doentio do Jr Fonseca de se vingar da editora. Ele pegou A Princesa e o Cavaleiro, Gravitation, os mangás do Clamp e os fãs bitolados… é praticamente a Emily Thorne do mercado editorial brasileir…

Voltando ao post! É muito estranho a JBC usar a desculpa de manter o “significado” do nome quando a versão dublada fez EXATAMENTE ISSO.

Hikaru significa LUZ e o nome brasileiro é… LUCY.

Umi significa MAR e o nome brasileiro é MARine.

Fuu significa VENTO e o nome brasileiro é ANNE (de Anêmona, uma flor que se reproduz com o vento).

 Todas essas informações facilmente dedutíveis foram amplamente divulgadas em revistas da época, todas devidamente compradas e guardadas pela minha prima mais velha e otaka que foi traída pelo marido e agora mantém o hábito de acumular tranqueiras da adolesc…

ENFIM! Sabe, assume logo que quis colocar o nome japonês porque sim (ou porque foi mandado) e pronto, não inventem desculpas de “é para manter o significado”. Porque se fosse para respeitar o original…

docray01

…vocês nunca teriam mantido o título Guerreiras Mágicas DE Rayearth, o mais famoso erro de tradução da série.

24 Respostas to “Alguém me explica? (Rayearth Edition)”

  1. Naty 21/10/2013 às 21:36 #

    Para não falar que dessa vez a editora que detém os direitos de Guerreiras Mágicas, bem como as autoras quisessem o nome em japonês, a JBC utilizou-se desse meio para mostrar que não é pau mandado.

    Sei lá. Foi isso que me pareceu.

    A edição está legal. Eu tive a oportunidade de dar uma olhada no serviço hoje. Só o preço que não agradou. R$16,90, poxa, cada vez com mangás mais caros. Estou até com medo de quanto Sailor Moon irá custar, já que shoujo não vende!

    Ótimo post. E sabe? Até você falar da tradução, nunca tinha reparado. n_n”’

    É quase certo que não comprarei essa. Já tenho a antiga que está muito bem guardada.

    Até mais

    Curtir

  2. Luciano von F. 21/10/2013 às 22:06 #

    Mara salvou em Lumiose City #kareshisefodeo

    Curtir

  3. Gabriel 21/10/2013 às 23:42 #

    2 e 3 fazem sentido. Chuto na 3 porque acho as mães dos otakus não os deixariam fazer tatuagens.

    Mas fala um pouco mais dessa prima aí. Fofoca da vida alheia é mais interessante que os acontecimentos do nosso mercado nacional de mangá.

    Curtir

  4. Fernando 22/10/2013 às 00:01 #

    Eu tenho a Heroi da 1 a 125, todas Animax e mais uma porção daqueles genéricos… tipo Japan Fury, Herois do Futuro, AnimeEX etc etc.

    Ofereco-as a quem quiser pesquisar por mais argumentos contra a dona JBC e seus estagiários do Zodiáco.

    Curtir

  5. Elpidio Ta 22/10/2013 às 03:35 #

    Essa comparação com anêmona foi de doer… mas pelo visto o Leonardo Kitsune está sendo desprestigiado. Não tenha ciúmes dele não… nunca espere fidelidade sexual de alguém com nove rabos.

    Curtir

  6. Apo 22/10/2013 às 09:30 #

    Realmente querem que título seja popular, não manter os nomes dos personagens é uma jogada de Jênio (com J mesmo).

    Só lembro dos nomes das personagens em Japonês por causa do RPG dos personagens que lançaram para o Sega Saturn (um console que deveríamos esquecer). Mas como esse videogame era muito popular, acredito que por isso eles resolveram manter os nomes originais

    Curtir

  7. Dessa vez não vi problema algum com essa decisão da JBC. Mas desde quando que eu tenho o hábito de empatar a foda da pauta da Mara? Nah, continuem ai… :3

    Curtir

  8. Luiz Fernando 22/10/2013 às 11:22 #

    As editoras de mangás no Brasil deveriam ser objeto de estudo em todas as faculdades de adm. do Brasil, como exemplo do que não fazer. Só aqui que os caras adotam essa super estratégia de se fechar no nicho pra aumentar o público.

    Curtir

  9. Hud (@010190) 22/10/2013 às 12:46 #

    A separação da Mara e do Leo Kitsune é a versão (traduzida pela JBC) brasileira da separação da Naoko Takeuchi e do Yoshihiro Togashi: ninguém sabe se aconteceu ou se é um simples boato. Aos fãs, tudo o que restam são simples especulações.

    (Aquele momento em que KitsuMara é mais interessante que os nomes escolhidos pela JBC pro relançamento de um mangá…)

    Curtir

  10. Apo 22/10/2013 às 13:13 #

    As editoras de mangás no Brasil deveriam ser objeto de estudo em todas as faculdades de adm. do Brasil, como exemplo do que não fazer. Só aqui que os caras adotam essa super estratégia de se fechar no nicho pra aumentar o público.

    -E cada dia piora mais…

    Curtir

  11. Otário 22/10/2013 às 13:13 #

    JBC E Sony são iguais: só dão desculpas esfarrapadas.

    Curtir

  12. Geyson Freitas 22/10/2013 às 13:26 #

    Tenho certeza que Rayearth não vai vender nem a mais e nem a menos por causa de nomes que mantiveram de acordo com o material ORIGINAL ao invés de uma dublagem de uma passagem do anime lá em 1900-e-bolinhas e que ninguém se lembra (ou se importa).

    JBC certíssima dessa vez.

    Curtir

  13. Henzo (@henzobr) 22/10/2013 às 16:14 #

    Relancar um título da década de 90, com os nomes modificados e com o preço de capa mais caro no minimo é de se esperar que as vendas saiam abaixo do esperado.

    Já não basta o público alvo ser pequeno(nem todo otaquinho que compra mangá hoje, estava consciente na década de 90 vendo o desenho na tv) e mudar o nome que o nicho está acostumado (?), é… então, Super Onze tá vendendo bem? rs Revolucionou o mercado com o novo formato diferenciado para as criancas comprarem junto com a Turma da Mônica? rs

    Curtir

  14. Apo 22/10/2013 às 16:27 #

    Tenho certeza que Rayearth não vai vender nem a mais e nem a menos por causa de nomes que mantiveram de acordo com o material ORIGINAL ao invés de uma dublagem de uma passagem do anime lá em 1900-e-bolinhas e que ninguém se lembra (ou se importa).

    – O mais irônico é lançar um mangá de 1900-e-bolinhas e perder a oportunidade de talvez cativar esse público de 1900-e-bolinhas.

    Nenhuma empresa se dá o luxo de perder clientes antigos, só as editoras de mangá.

    Curtir

  15. Apo 22/10/2013 às 16:31 #

    Já não basta o público alvo ser pequeno(nem todo otaquinho que compra mangá hoje, estava consciente na década de 90 vendo o desenho na tv) e mudar o nome que o nicho está acostumado (?), é… então, Super Onze tá vendendo bem? rs Revolucionou o mercado com o novo formato diferenciado para as criancas comprarem junto com a Turma da Mônica? rs

    -Amigo o Super Onze está sendo vendido do lado de revistas formatinho (Mônica Tradicional, Luluzinha e Disney). Você acha que uma revista em preto e branco, com leitura oriental e declaradamente infantil vai ter chance contra outros formatos com páginas coloridas, leitura fácil e histórias completas?

    Só na terra do sonhos dessa gente.

    Curtir

  16. jasque 22/10/2013 às 17:26 #

    se bem que esse desenho passava 6 da madrugada

    só os hardcores assistiam

    Curtir

  17. jasque 22/10/2013 às 18:23 #

    Seria melhor colocar o título como Guerreiras Mágicas de Raioterra

    e as personagens como Lúcia, Marina e Ana.

    Assim desagradava os nostalfags e os otacões ao mesmo tempo,

    Só sobrariam pessoas normais comprando o mangá, abaixo o nicho.

    Curtir

  18. Apo 22/10/2013 às 18:55 #

    se bem que esse desenho passava 6 da madrugada

    só os hardcores assistiam

    -Passou também as 9 da manhã todos os domingos. E sua última exibição foi no Bom Dia e Cia (também mais ou menos nessa faixa de Horário).

    Curtir

  19. RocketWobbuffet 22/10/2013 às 20:20 #

    Nem sabia dessa explicação dos nomes traduzidos. Faz sentido.
    Acho que podemos contar com “Usagi” em Sailor Moon, afinal, tem que ter coerência.
    E essa sua prima, Mara? Tá muito desesperada? Topando qualquer coisa? Só para saber.

    Curtir

  20. cassiodd 22/10/2013 às 22:37 #

    gente?! que história é essa da traducao do “de” que eu nao entendi?

    Curtir

  21. Sandra Monte 22/10/2013 às 23:04 #

    Por isso eu falo…
    Um dos motivos que não vou comprar Sailor Moon agora é porque a editora relançará em formato mais “bonitinho”, com mudança dos nomes e tals… Gastarei meu rico dinheirnho comprar DVDs e os livros de “como treinar seu dragão”

    Enfim…

    Sandra Monte
    http://www.papodebudega.com

    Curtir

  22. David Denis Lobão (@davidlobao) 23/10/2013 às 02:17 #

    Gente, na boa… Decisão péssima da JBC. Esta republicação de Reyarth ficou um lixo, super sem graça. Vi nas bancas, folheei, vi os nomes originais e não comprei. Péssima ideia, nota zero.

    Curtir

  23. Gusto 23/10/2013 às 19:24 #

    Acho que a JBC ta usando essa nova versão de Rayearth como cobaia. Mais caro, nomes originais e honoríficos. Tipo fazendo teste pra ver se esse lance cola (pra fazer o mesmo em Sailor Moon, talvez).

    Curtir

  24. Kevin 25/10/2013 às 14:48 #

    Engraçado.. Se eles tinham que mandar algum nome da dublagem pro lixo, era aquele tal de SHORAN, inventado pela Daniela Piquet.. Shaoran ao invés de Xiaolang até ia né..

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: