Arquivos | agosto, 2012

Este blog está de luto =(

31 ago

Caros leitores,

Sei que o espaço aqui sempre foi para brincadeira e sarcasmo, mas precisamos falar sério, como já falamos outras vezes. Este post, então, é para homenagear alguém que morreu.

Este é um mundo cruel, onde muitos nascem, mas poucos conseguem se manter vivos. Sentimos um pesar muito profundo diante da morte de alguém que acabou se surgir em nosso mundinho.

Assim sendo, dedico este post àquela que, infelizmente, faleceu nesta última terça feira:


A VIABILIDADE DO CRUNCHYROLL BRASIL

O último que sair apaga a luz, por favor.

Trava-Línguas Nível Hard

30 ago

Abriram as porteiras da JBC. Em questão de uma semana a editora anunciou três mangás próximos. Tem de tudo: mangá novo, requentamento de dez anos atrás e um título para aproveitar a fama de outro mangá. IKIMASU relembrar os nomes (daqui, daqui e daqui)?



Rurouni Kenshin, Nurarihyon no Mago e Mashima-En. Até a dubladora da Yayoi Aoba falando “Rumpelstiltskin-kun” três vezes parece mais fácil que conseguir articular os músculos da boca e pedir esses três mangás na banca.

Aliás, tenho um vídeo EXCLUSIVO mostrando como os donos de bancas de jornal vão ouvir vocês pedindo estes três mangás de nomes fáceis:


Charlie Brown não curtiu isso.

“Crunchyroll Brasil”, o último capítulo da série chamada “Mercado Nacional de Animes”

29 ago

Você, otaku criado a leite de pêra e mangás com glossários, não deve saber, mas há muitos anos existia uma série que todo mundo via, se chamava “Mercado Nacional de Animes”. Ela era bem popular, mas por diversos fatores ela foi perdendo audiência com o passar dos tempos.

Quando todo mundo achou que a série tinha acabado, surgiu o anúncio do último episódio:

Eu podia vir aqui, roubar, matar falar qualquer outra piadinha sobre o caso, mas não farei isso. Vamos falar sério.  Independente de o serviço ser bom ou da empresa conseguir trabalhar profissionalmente, eu quero saber se vocês estão sabendo que esta vai ser a última chance para os animes no Brasil, não é?

Porque, ao contrário do que toda a imprensa especializada diz nas primeiras impressões escritas a panos quentes, as temporadas de animes estão cada vez piores. Temos apenas o Cult e as séries com meninas moe feitas para incentivar a masturbação de pessoas com sérios problemas de sociabilidade. Além deste declínio dos desenhos japoneses, os americanos acertaram o ponto da receita e passaram a fazer animações mais interessantes. Legend of Korra manda um beijo e uma sapucada na cara de qualquer requentamento produzido pela Toei.

E mesmo se o mercado japonês produzisse uma série interessantíssima para se trabalhar no mercado nacional, ela encararia um problema sério: o pessoal que licencia estas séries. Porque vivemos no país da incompetência mercadológica e do amadorismo, que acredita realmente no êxito de animes decanos em horários tapa-buraco de emissoras pequenas. Se falarmos de DVD então a coisa fica pior, porque se até uma blogueira de um blog de quinta categoria como este consegue prever o fracasso comercial de um determinado item e você não, sugiro que demita sua consultoria.

O Crunchyroll Brasil é aquilo que chamamos de “o que tem pra hoje”. Não é o bastante para popularizar novamente os animes no Brasil, nem adianta acreditar. Mas acredito ser o bastante para evitar a debandada que tá rolando neste pequeno nicho que todos vocês estão.

Tem chances de dar errado? Muitas! A começar por amadorismos que acontecem por trás das coisas. Mas tem uma chance de sair algo agradável.

Este é o último capítulo da série “Mercado Nacional de Animes”. Cabe a você decidir se esta série vai ser daquelas que o final é uma merda ou se será algo memorável e todo mundo vai guardar no coração e nas lembranças.

E não, essa série NÃO tem chance alguma de ganhar uma nova temporada.


Então vamos acompanhando outra série que tá na reta final: “Mercado Nacional de Mangás

O nome “Samurai X” não é a Nicole Bahls, mas também foi eliminado

28 ago

Assim como Riroca, que achava o nome ruim e mudou para Sarah Sheeva, o mangá do Samurai X também vai mudar de alcunha no relançamento que a JBC vai fazer.  O release da editora é maravilhoso, eles até falam “Naquela época (2001), os volumes originais japoneses eram divididos em duas edições cada (o formato chamado meio-tanko)” como se Negima não fosse publicado assim até hoje.

Mas voltando pro Kenshin, eles decidiram usar o nome original do mangá, Rurouni Kenshin, a usar Samurai X, nome dado para a versão dublada. A desculpa justificativa oficial é que a editora japonesa mandou. Se a ideia partiu da Shueisha, é um tiro no pé e uma incompetência sem tamanho, porque é inteligente lançar uma série pelo nome que ela é mais conhecida. Se for ideia da JBC, é um tiro no pé porque é inteligente lançar uma série pelo nome que ela é mais conhecida.

Como de japonezices desnecessárias já nos bastam as traduções e glossários da Panini. esperamos que a moda não pegue e que não tenhamos mais mangás com nomes no original nas nossas bancas.


Por um mundo com menos otakices e mais pessoas trepando!

Equipe Rocket dá tchauzinho e promete mandar um cartão postal a cobrar pra vocês

27 ago

Tudo tá indo pro buraco. A identidade do Tobi, a MTV, as Empreguetes, o Mais de Oito Mil… e quem agora tá dando tchau é a Equipe Rocket. Como nem Thalia em toda a trilogia das Marias comeu tanto pão que o diabo amassou quanto a Equipe Rocket nesta temporada nova do anime, eles pensaram em todos os anos de serviços bem prestados e foram no RH da Nintendo. Depois de esperarem o Capitão Falcon pegar seu Seguro-Desemprego, a Equipe Rocket botou o pau na mesa e pediu pra sair desta merda.

E o resultado foi este cartaz:

Momentos de tensão. Também divulgaram um trailer do episódio. Como meus leitores são pessoas sofisticadas e possuem um iPad, vou mostrar os melhores momentos do teaser porque seus aparelhos não lêem flash. IKIMASU ver o que esperar desta despedida?

Já começa com eles em uma grande e desnecessária construção milenar usando alguma pedra para invocar algum Pokémon lendário que só existe nas lendas, mas será visto por um garoto de eternos 10 anos de idade que viu mais coisa na vida que o Oscar Niemeyer. Tenho preguiça dessa pretensão de roteiro e saudade de quando a série era mais escrachada.

Já temos uma pista de quem será o próximo vilão: os desenhistas. Porque para desenhar o Ash e a Iris dessa forma, precisa de muito ódio no coração somado a um salário sub-humano.

Pokémons genéricos lutando em lutas dramáticas, porque né… precisamos convencer as pessoas que Pokémon não é uma série só para crianças.

Giovani fantasiado de príncipe de baile de debutante surtando mais que o Doutor Abobrinha quando conseguiu fazer alguém assinar aquela merda de contrato.

E tudo se encerra com a cena dramática da Jesse, do James e do Meowth pulando para salvar seu chefinho. Se fosse comigo, eu estaria na mesma posição, mas na verdade minha intenção seria empurrar o chefe penhasco abaixo. Porque sou dessas.

E esse é o trailer da despedida. Aposto que esse “Adeus Equipe Rocket” do título do episódio é uma despedida para a ORGANIZAÇÃO, e não para o trio subaproveitado em meio a tramas piores que as de Os Rugrats Crescidos.

Mas fica a curiosidade e a promessa vazia de uma análise da despedida. 

Quem não tem janela de vidro que atire a primeira pedra

24 ago

PAREM AS PRENSAS DA INTERNET!!!

Temos uma notícia surpreendente enviada pelo Ketsura! Se algum dos leitores tem problemas cardíacos, sugiro que se retire do site imediatamente. Ela é tão inacreditável que superaria um pronunciamento no horário do Jornal Nacional com o Togashi falando que não sabe como terminar Hunter x Hunter.

Deu no site da Comix (aqui e aqui):

Agora até acredito que a humanidade tem solução, que o Anime Friends pode ser sediado em um local adequado e que a Rede Globo pode passar uma reprise do Jaspion no lugar de Avenida Brasil.

A única coisa que não acredito é que esse mangá venda, mas fazer o quê né minna?

Experiência Mais de Oito Mil – Analisando Beyblade como se fosse um blog qualquer da imprensa especializada (pff)

23 ago

Um dia desses fiquei me perguntando por que não estou no Genkidama. Achei que era porque eu fazia piadas sem graça, mas aí lembrei que o Leonardo Kitsune tá lá. Então só pode ser porque eu não analiso animes seriamente como a nossa imprensa especializada (pff). Por isso, decidi usar toda a habilidade adquirida lendo reviews de outros blogs e fazer o meu próprio review pedante de anime, no qual eu poderei expor toda a minha cultura superior enquanto estabeleço a minha superioridade sobre todos vocês leitores.

Essa vai ser a minha experiência do dia. Para começar, escolhi um anime fácil. Beyblade. A primeira temporada mesmo, aquela que você fingia que não via mas sempre zoava falando os nomes certos. Então, let it ri…. digo, IKIMASU para a análise!

***


Beyblade é mais uma obra prima da animação japonesa produzida pelo estúdio Madhouse, que é o responsável pelos melhores animes do mundo há vinte anos.  É a história de um garoto espevitado chamado Tyson Granger que participa de ousados duelos envolvendo piões de batalha.

Você leitor não deve ter percebido, mas Tyson não é um nome japonês. Isso acontece porque o anime foi editado e tesourado inescrupulosamente pelos maléficos americanos, porque o nome original dele é Takao. O fracasso do anime com certeza deve estar ligado a isso, tenho quase certeza.


A trama de Beyblade envolve campeonatos disputados com os personagens lutando com seus piões. Tudo não passa de uma forma de pastiche que se refere a uma alegoria da sociedade que se monta nos seres menos pensantes e mais fortes para o erguimento de uma sociedade mais justa, como visto no período Edo da história japonesa. Estes ciclos históricos se repetem constantemente no universo ficcional japonês, e esta constância se mantém até o ponto de virada do plot, que é a vitória de Takao.


Embasando minha opinião nos conceitos da fenomenologia e na variação de perspectiva do filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol” do sensacional Glauber Rocha, o anime Beyblade é uma excelente pedida para aquele fim de semana pra você maratonar. É um anime irreverente, com altas doses de aventura, muita comédia e aquela animação linda que podemos esperar da Madhouse. Tem meu selo de qualidade.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.122 outros seguidores