Arquivos | abril, 2011

Ao Mestre, com Carinho

30 abr

Deu no CavZodíaco a capa do último volume de Lost Canvas:

Não leio o mangá, mas fiquei curiosa por essa publicidade do jogo Smash Brothers, que colocou o Master Hand na capa final do volume.

Se as duas mãos do Seiya Tenma estão pra baixo, de quem é esse punho gigante?

Porque, na boa, só tem UM CASO em que essa mão poderia ser do Tenma… e é no caso de INCAPACIDADE de desenhar.

Kurumada fez escola.

***

(agradecimentos ao @dudununes_19 que passou esse clássico em resolução maior)

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Analisando Séries: A princesa Capeta e o líquido produzido por homens

29 abr

Analisando tantas estréias me fez ver um problema comum: todas as séries estão com clichês demais. Aí eu ando na rua e vem um otaku falar comigo dizendo “Mara, sua gorda escrota, pare de analisar primeiros episódios porque eles sempre são iguais, as séries só ficam boas a partir do segundo episódio e bla bla bla seu bumbum é lindo”. E vi que as pessoas falam a verdade, primeiro capítulo é sempre ruim. Então decidi analisar a estréia de hoje, mas pegar a partir do terceiro capítulo. O objeto de estudo do dia vai ser Astarotte no Omocha, que eu tive que ler a sinopse por fora já que não vi os dois primeiros episódios. Vamos ver… é uma princesa que quer ter um harém masculino e que só vai manter seu corpo e sua beleza se consumir um líquido produzido exclusivamente por homensORKUTIZARAM AS PORNOCHANCHADAS!!!! Vamos analisar essa pérola da animação da Grande Nação Japonesa e baixado pelo Punch Fansub (quem sabe agora eles fazem propaganda de mim?), então pare de ler esse estudo semiótico sobre O Gafanhoto e IKIMASU ver essa grande série.

O episódio já começa com um reaproveitamento de cenário de outro anime. Imagino que isso tenha sido o quartel general da Equipe Rocket por causa do R gigante, né?

Aí tem esse cara de cabelo azul que foi recrutado para o harém, mas que quer voltar ao mundo dos homens para pegar a filha dele, que vai cumprir a cota de garotas pequenininhas que falam fino e que a dubladora aparece de biquíni na capa da Shonen Magazine.

SCORE!

Aí descobriram que a filha do cara tem 10 anos, e o pai tem 23, fazendo com que essa história seja uma grande lição sobre os perigos da concepção na adolescência.

A princesa Capeta falou que não quer ver mais esse tarado na frente dela, e a filha apareceu para defender o pai. Olha, que bom que eles deixaram bem claro que é o pai, porque com esse character design eu achei que era mais uma figurante. E mulher.

Ai Mara, como você é a favor da lei anti-mangá? Ah sim, porque você leitor acha super normal uma garota que parece que tem 10 anos ficar andando aí de calcinha e tomando líquido produzido por homem.

A filha quer ir embora e não deixar o pai “trabalhar” com a Capeta, mas o pai consegue convencer a menina apenas mostrando o jardim que a princesa cuida todos os dias. Porrãm, com um argumento desses, ele consegue fazer a filha morar até no quadro de jardinagem do programa da Ana Maria Braga.

A filha pula no colo do pai.

 E com esse argumento eu digo que a animação da Grande Nação Japonesa alcançou o fundo do poço. O Mais de Oito Mil, a partir de amanhã, vai analisar a produção de uvas, que é um assunto bem mais light.

Aí a menina falou que quer ir pra escola com a princesa Capeta. Vale o comentário que todos eles estão com a mesma roupa de ontem? Me senti naqueles avanços de tempo do Sai de Baixo: “no dia seguinte…. com a mesma roupa”.

E temos uma visão externa da escola, que mais parece uma tenda de circo. Mas se for ver, toda escola é assim mesmo, né? Se colocar uma tenda em cima vira circo, e se colocar um muro alto e funcionários vestidos de branco vira hospício.

A professora chegou na sala e ela tem orelhas de bichinho. Se eu tivesse lá eu arrancava isso com o compasso, porque não sou obrigada a respeitar uma pessoa que acha que usar orelhas de gatinho a deixa fofa. Quer parecer fofa? Engorde e faça um cosplay de Hatsune Miku!

Que sala é essa? Reaproveitaram o cenário do Todos Contra Um do Justus?

A criança insuportável chega e é fuzilada por olhares de desprezo… INCLUSIVE DA PROFESSORA TOSCA. Olha, se até uma pessoa com orelha de gatinho te olha com desprezo, significa que você está num grau de ridicularidade comparado com o argumento que Mitsumasa Kido é a reencarnação de Zeus por ter comido 100 mulheres.

É pra levar a sério uma escola que tem uma estátua digna de virar protagonista dos Backyardigans?

Tudo bem os livros serem todos iguais, mas a caneta e o tinteiro também precisam ser todos iguais, produção?

E essa escola que copiou o design da fase dos brinquedos do Castle of Illusion do Mega Drive nos encanta com o elevado número de alunos.

A escola parece que só tem aquelas 30 alunas, precisa de tanta mesa, tanta cadeira…?

Todo mundo decide fazer um almoço com a Capeta para integrá-la ao grupo, mas uma Lhama apareceu e…. OI???

A princesa está em perigo por causa da Lhama. Mas qual o perigo de uma Lhama, além de estragar a progressiva com uma cusparada?

Lhama 1 x 0 Aluna

Quando uma luta com uma Lhama é o acontecimento mais interessante de um episódio de um anime, você sabe que está diante da série que vai revolucionar o conceito da cultura mais rica.

AI MEU KAMI-SAMA, ISSO É UMA MENSAGEM SUBLIMINAR!

ELA TÁ AGARRADA NUM PINTO!!!!

Cansei do episódio, vamos para o resumo?

TODAS DERROTA a Lhama

TODAS ALMOÇA

TODAS BEIJA

TODAS PAGA CALCINHA

TODAS LAMENTA O ROTEIRO

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Lucy no Go

29 abr

Deu no Jbox:

Nossa, não era publicado desde dezembro de 2010?

Alguém notou?

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Bomba! One Piece volta a ser publicado no Burajiru!!!

28 abr

Minna, eu nem sei por onde começar essa notícia. Se lembram aquele mangá, o One Piece, que era publicado no Burajiru e que foi cancelado pelas forças ocultas que derrubaram a Conrad? Então, minna, o mangá tá de volta ao Burajiru!

TODOS PIRATERO COMEMORA!

O mangá que ninguém lia (e que a imprensa especializada botava a culpa do fracasso na exibição da versão da 4Kids que ninguém assistia) finalmente voltou a ser publicado a partir do volume 60, pela mesma editora Conrad. Esse mangá então marca o começo de uma nova Leila Conrad.

IKIMASU ver a confirmação?

“Mara, sua gorda causadora, esse não é o mangá da Conrad, e sim a versão japonesa do mangá, dã!”

Engraçado, porque o site Submarino não vende volumes japoneses de mangá, e esse volume não saiu nos EUA ainda. Sem contar que tem isso no mesmo produto:

E antes que alguém venha me dizer que o Submarino copiou por engano os dados do mangá da Conrad, por que então tá corrigido para o ano de 2011?

Das duas uma, ou o Submarino está oferecendo um produto que não existe (e eu ficaria muito curiosa em comprar isso e ver o que eu receberia em casa), ou então a Conrad alcançou um novo patamar na escala da filha-da-putagem ao cobrar 23 reais num meio tanko.

Bem, eu acho que deviam comprar, até porque…

…pode ser um investimento pro futuro.

Alguém topa comprar pra entrar com ação no PROCON?

(Dica do leitor Mercedes Consuelo, filho da Baby do Brasil e que atualmente faz sucesso no seriado Glee)

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Cadê meu Death Note?

28 abr

Deu no Japan Pop Cuiabá, que tá aprendendo a fazer títulos com o CavZodíaco:

OOOOOI????

Isso é tipo o Turma da Mônica Jovem ganhar o prêmio de Melhor Mangá Japonês.

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Overdose de Justiça

27 abr

Vejam o que deu ontem no canal do Felipe Neto:

Eu não tenho paciência para vlogs, não tenho paciência para pessoas aparecidas e muito menos pra quem acha que falar um palavrão a cada 15 segundos é uma maneira de transgredir. Mas o resumo disso tudo é que ele fala que os impostos são absurdos e que temos que ter preços justos.

Felipe Neto é um desses vlogueiros que tem várias visitas e que ganhou um programa na MTV/Multishow e tem uma grande visibilidade, então ele entrou numa campanha pedindo por preços justos.

Muitas três pessoas vieram me sugerir essa pauta porque eu estou quase fazendo pós em Jogo Justo, e como a idéia do Felipe Neto é a mesma coisa que a oura campanha, só que amplificando para toda a indústria do entretenimento, as pessoas querem saber o que eu acho disso.

Se vocês querem saber o que eu acho disso, sinto informar que eu tô mais interessada em saber O QUE O MOACYR ACHOU DISSO:

Só pela trollada no Moacyr, esse Felipe Neto ganhou muitos pontos comigo.

Bem, a campanha Preço Justo surgiu do nada e já conseguiu chegar nos TT (afinal, o que NÃO CHEGA aos TTs, né?), mostrando que as pessoas sabem xingar muito no twitter.

E no site da campanha tem o tal do manifesto. Depois de um texto raso falando sobre a diferença de preços, tem a explicação de como eles vão fazer para mudar a nossa realidade:

“O manifesto #PrecoJusto tem o objetivo de enviar para Brasília a nossa insatisfação e revolta. Nele, basta você assinar com seu nome, email e CPF que nós tomaremos todas as medidas necessárias para que enxerguem nossa manifestação e, assim, possamos sair da Internet para conseguirmos uma lei.”

Resumindo, é uma Petition Online estrelando o Felipe Neto que acha que uma hashtag consegue mudar o país, como pudermos ver com o #ForaSarney e o #ForaBolsonaro.

Mas o que me chamou mais a atenção foram os dados pedidos:

Você tem coragem de sair colocando o seu CPF em qualquer coisa NA INTERNET? Acho que é mais seguro você entrar fantasiado de Goku na sede da Red Ribbon que você colocar um documento tão importante assim pra alguém que você não conhece.

Eu acho que os moradores do Burajiru estão bem ferrados em questão de ver quem escolheremos para lutar por nossos direitos. De um lado temos um senhor que mercantilizou uma “luta política”, e do outro temos um garoto que não tira a palavra “porra” da boca. E nós vamos para que lado? Precisamos escolher um lado?

E não estou falando que devemos ficar parados e esperar que a queda de impostos saia no nosso colo. Apenas acho que essas pessoas não estão fazendo caridade pra ninguém, elas têm seus interesses e acho que estão usando as pessoas como massa de manobra.

E o Felipe Neto, inclusive, esqueceu de um detalhe muito importante a respeito de preços de DVDs e BluRays. Além dos impostos, uma coisa que é responsável pela alta dos preços dos DVDs é o acesso indireto a conteúdo protegido por lei sem pagamento de direitos de exibição (vulgarmente conhecida como a profissão dos personagens do One Piece of Shit), que faz com que as produtoras tenham rombos absurdos em suas contas e descontem no preço das coisas. Por isso, é muito curioso ver que o Felipe Neto defende uma “justiça” e uma “queda de preços” nos DVDs quando ele mesmo…

…era o dono e fundador do maior site de divulgação de links para downloads de seriados do Burajiru.

(Agradecimentos ao Waldir Segundo que mandou um email e aos @RobertinhaBGS e @GustavoSyaoran)

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Todos otaku curte uma farofa

27 abr

Deu no J-Universe (e em todos os outros sites da imprensa especializada [pfff]):

Eu podia vir aqui e me virar para fazer uma piada engraçada e inédita, mas pra quê fazer isso se eu posso simplesmente colar a mesma piada que eu fiz no dia 18 de Outubro de 2010?

Mara: Economizando Piadas por um Futuro Renovável

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Em casa de marinheira, o cetro lunar é de pau

26 abr

PORRÃM, MAIS UM POST DE SAILOR MOON, MARA?

Sim! O blog é meu e eu falo do que quiser!

Uma das coisas que mais me fascinou na história do lançamento de Sailor Moon S no Burajiru foi que a CD & DVD Factory (aquela empresa que me deu uma entrevista com uma boa vontade semelhante de quando você lava a louça a pedido da sua mãe) chamou o grupo de fãs SOS Sailor Moon para auxiliar no processo. E sabe qual a principal diferença entre chamar a ajuda de um fã-clube e de chamar profissionais? Fã clube faz o trabalho de graça!

E qual a vantagem para esse tipo de clube? Apenas ter o lançamento do produto e poder se gabar de fazer parte do processo. Que baita pagamento, né minna?

Nos meus fins de semana, meu passatempo é ficar lendo os fóruns que postam algum link do Mais de Oito Mil, aí acompanho algumas discussões interessantes. E numa dessas leituras eu fui parar no fórum do SOS Sailor Moon, que tem a participação de meia dúzia de leitores e dos donos do site na função de moderadores.

Em um post sobre esta que vos escreve, observe a opinião da moderadora ao ver uma mensagem comentando sobre um dos meus posts falando mal deles:

Obrigada pelo elogio ao meu bumbum.

Observem a necessidade da pessoa de se mostrar sempre dentro do processo com frases como “se soubesse de 1/3 do que nós fazemos nos bastidores”, ditas obviamente com o intuito de mostrar uma superioridade aos outros membros do fórum.

Depois de alguns posts que inclusive incitam agressões à pobre blogueira que sou, a saída tomada pelo SOS Sailor Moon no tópico foi:

Trancar o tópico para ninguém mais falar sobre o assunto? Então .

Aí o meu post favorito é o sobre a redublagem de Sailor Moon S. Começou com pessoas esperançosas, pessoas que rezaram (literalmente) para que saísse a redublagem e, por fim, o anúncio da equipe do site falando que a dublagem não ia rolar por veto da Naoko Takeuchi.

Depois de tamanha incompetência por parte da equipe que quis ajudar no lançamento (não é porque eles estão trabalhando de graça que temos que relevar uma incompetência, não é mesmo minna?), Sailor Cosmo posta um depoimento emocionante:

Caramba, 15 anos de campanha de Sailor Moon? Nada mal heim, é um tempo considerável. E o que essas pessoas que dedicaram quinze anos de suas vidas nessa campanha conseguiram mesmo?

Uma série dublada de maneira porca em 2000, um relançamento com baixa audiência em 2001 e o lançamento de um DVD simples em 2011? Porrãm, até o CavZodíaco conseguiu mais coisa que isso nesse mesmo tempo!

Aí os leitores do post começaram a ficar mais incisivos, mais revoltados. Os moderadores então começaram com seus posts demonstrando que sabem coisas de bastidores de novo (clique na imagem se estiver ruim de ler):

Que informação exclusiva, né minna? Eles sabem as empresas que estão negociando o mangá. Considerando que temos APENAS duas editoras grandes no Burajiru, até o chimpanzé Jimmy consegue descobrir quem tá por trás da negociação.

E aposto a liberdade do símio que, qualquer que seja a editora que pegue o mangá de Sailor Moon, não chamará o SOS para ajudar nas coisas.

Bem, os leitores continuaram não engolindo esses discursos dos donos do SOS, e começaram a discutir com… COMENTÁRIOS SENSATOS! Nem eu acreditei que otaku conseguia ser sensato. Veja um exemplo:

Depois de tão sensata opinião, qual foi a saída do moderador do fórum, ao ver que aquela opinião poderia influenciar outras pessoas e a venda dos DVDs ser ainda menor que a que será?

Deixa eu ver se a otaka aqui entendeu!

Cansados das críticas, eles decidiram TRANCAR O TÓPICO impedindo que as pessoas colocassem sua OPINIÃO? É por isso que eu amo acompanhar fóruns de fã-clubes, porque é como uma versão virtual da Revolução dos Bichos. Aguardaremos a construção do moinho

…digo, o lançamento do DVD.

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Engravidando orientalmente

26 abr

Se você amiga leitora está grávida, este post é pra você. Sabem a Daniele Suzuki? Aquela que é a única atriz japa da Globo e que só não tá na flopada novela das sete porque ela tá grávida? Então, ela mostrou o ritual de uma grávida que tem ascendência da cultura mais rica.

Veja o que deu no Entretenimento MSN (Que site é esse?):

Não vou comentar o clichê de ter uma japa zen ou a cerimônia que devia ter só os dois mas que teve um fotógrafo para registrar o momento. O que eu queria comentar era o nome do rebento: KAUAI!

Se ela vai dar esse nome original pra criança, sugiro desde já para a Dani que participe de campanhas contra bullying, porque a turma de 2018 da primeira série não vai pegar leve.

***

(Agradecimentos à leitora Mônica de Mattos, que acessa esse tipo de site)

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Record e seu papel de troll na televisão do Burajiru

25 abr

E ontem todos nós ficamos vendo a programação da Rede Record. Depois de mostrar a história do chimpanzé Jimmy, uma matéria sobre uma elefanta com artrite e uma matéria sobre uma mãe que matou o próprio filho, o Domingo Espetacular começou a matéria sobre games.

Veja o que deu:

Inspirada na falta de estrutura do programa Esquenta, que traz muitas pautas e nenhuma coerência entre elas, a Record mostrou uma matéria que… não fez muito sentido pra mim.

Começou mostrando jogos e intercalando com vídeos do que aconteceu em Realengo, aí entrevistaram o amigo do assassino, que dizia que estava chocado porque o louco sempre jogava os jogos mais recentes. Tá, e daí? O assassino tem culpa que você ainda joga Colheita Feliz que é o que o seu computador pode rodar? E você está chocado que ele jogava jogos violentos, mas o que é esse wallpaper no seu computador mesmo? Ah, o Sub-Zero?

Depois, houve uma explicação educativa sobre jogos violentos. Duke Nukem é apresentado como um jogo em que você sai matando todo mundo e se envolve com dançarinas de strip-tease. Faltou só mencionar que as dançarinas são apenas cenário e que as pessoas que você mata são monstros alienígenas.

Aí veio a especialista, que claramente é formada por correspondência pela UniEsquina, que usou uma lógica brilhante para dizer que as pessoas que jogam videogame VÃO virar assassinas. E começou a falar sobre o vício de videogames.

É aí que apareceu uma mãe falando que o filho começou a ficar violento com ela depois do videogame. “Mas não fisicamente, só verbalmente diz a senhora. É lógico que a culpa é dos videogames, e não da puberdade que mexeu nos hormônios do moleque.

E para encerrar a matéria, mostrou uma família feliz jogando Rock Band e dizendo que os games não podem influenciar negativamente uma pessoa se ela tiver boa estrutura.

O que eu vi nessa história é que tá tudo errado!

Primeiro quem errou foi a Rede Record em fazer essa matéria tendenciosa e que não acrescentou nada, apenas requentou o assunto do massacre em Realengo e que perdeu a coerência pela própria ordem das matérias: antes de falar de games mostrou uma mãe que torturava e que matou o filho sem comida. Ela também jogava videogame?

E quem errou também foram os fãs idiotas de games e os otakus. Ao ver a manchete sensacionalista todo mundo fez um baita barulho nas redes sociais, que causou um provável aumento de audiência na própria matéria. E muitos aproveitaram esse barulho para aparecer, como o Jogo Justo.

A ignorância dos fãs e o sensacionalismo do jornal alimentaram esse círculo vicioso e fizeram com que víssemos uma matéria que tem tanto sentido quanto o Mitsumasa Kido comer cem mulheres pelo mundo. E agora tenho que ver pessoas fazendo vlogs (parem com isso!!!) mostrando que aquilo foi parcial. Francamente! Se você acredita em imparcialidade no jornalismo, você também acredita que um coelho te entregou seus ovos de chocolate ontem e que a Naoko Takeuchi proibiu a redublagem de Sailor Moon S.

O que a Record fez foi criar uma matéria para atrair a atenção das pessoas e gerar polêmica e discussão. Exatamente….

…como EU FAÇO. Mas eu sou (um pouco) menos sensacionalista.

E agora vamos pensar no pobre Jimmy.

***

(Eu tenho Twitter!)

(Já me curtiram no FACEBOOK?)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.119 outros seguidores