Arquivos | fevereiro, 2011

Moacyr e Sua Quixotesca Luta contra os impostos

28 fev

Oi minna. É com muita alegria e satisfação que venho aqui pegar no pé das pequenas coisas. Porque nas pequenas coisas que encontramos os grandes fracos… ou algo assim.

No último dia 21, o nosso querido Moacyr, o idealizador do Jogo Justo e pessoa muito importante no campo dos videogames, concedeu uma entrevista a uma pequena blogueira do blog Mesa pra Dois, que consegue ter menos acessos que um certo blog de quinta que fala mal do mundo dos animes e mangás.

A entrevista foi de uma qualidade tão grande que sinto que a autora só pode ser a Regina Casé. IKIMASU ler as perguntas de altíssimo nível?

Só eu achei estranho o Moacyr responder uma entrevista dessas? Para alguém que fala que “não dá autorização para brincar com algo sério como o Jogo Justo”, essa entrevista tá bem descontraída.

Gramática nunca más [Sic]!

Que linda essa entrevista. É sempre bom que o Moacyr vá a todos os grandes sites do Burajiru dar entrevistas sobre assuntos pertinentes ao mercado de games no país.

A entrevista em si foi uma droga e esse post foi sem graça. Mas sabem qual foi o motivo de eu ter feito ele?

Só para poder mostrar essa incrível paródia que meu namorado fez para o Moacyr usando a música do seriado do Bem Amado e chamando uma cantora internacional para dar um tostão de sua voz. Vamos seguir a bolinha? IKIMASU DAR O PLAY, MACACO!

O bem amado

O grande gamer

Ele é o ganhador

O povo quer DS

O povo quer memória

Ainda bem que ele lutou

O nerdão,

Desempregado,

O otaku,

O jogador,

Seja Link

Seja Zelda

Seja o virgem que for

Quem vende com imposto nunca vai ficar rico

Toma no furico

No Dia do Jogo Justo para o Entei eu suplico

É o grande mico

É o grande mico

***

(@maisdeoitomil)

Analisando Séries – America’s Greatest Otaku (Ep1)

27 fev

Vivemos numa sociedade que ama deixar samambaia ganhar Reality Shows, então eles deixam de ser competitivos por isso. O Império do Capitalismo, por outro lado, decidiu resolver esse grande problema dos reality shows e decidiu fazer um em que TODOS são samambaias. Essa semana começou o America’s Greatest Otaku (“O Maior Virgem dos EUA”, em português) um programa em que baixa a Tyra Banks no dono da Tokyopop e ele decide encontrar a pessoa mais perdedora de todo o Império do Capitalismo. Ficou curioso para saber o que rolou no primeiro episódio? Então pare de achar que o anime de X-Men vai conseguir salvar essas babaquices da MadHouse e IKIMASU ver esse grande programa!

Esse é o dono da Tokyopop apresentando o programa. Eu ia perguntar se chamaram a Rede TV pra produzir o cenário, aí eu vi que não podia ser, pois até o cenário do Doutor Hollywood é melhor.

Ele começou a falar sobre o que é otaku, mas não entendi aquela foto ali em cima, à direita. Eu não vi nada de otaku numa prateleira cheia de comics americanos, mas aí eu percebi que o que o nosso Dr Ray gringo queria mostrar era esse excelente pout-pourry cosplay que mistura a roupa da Sininho com o Espantalho do Batman.

O Doutor Ray saiu escolhendo seis otakus para fazerem trabalho escravo não remunerado as seletivas por todo o país. Essa otaka ficou tão animada quando foi selecionada que soltou um agudo enorme que destruiu minhas caixas de som, por isso o post atrasou.

Se lembram aquele gatinho de óculos que falei quando analisei esses seis otakus? Então, ele estava com cosplay de PC Siqueira e perdi todo o ânimo.

Não entendi uma coisa. Esses comunicados eles receberam por webcam, então como que o computador dela aparece NO FUNDO e DESLIGADO?

E como é Reality Show, tem que ter um negro para cumprir a cota do politicamente correto.

No BBB temos o Pedro Bial numa passarela com platéia e os confinados numa casa que vale milhões. No America’s Greatest Otaku temos o dono da Tokyopop e os seis otakus sentados numa praça.

A falta de homem bonito nesse programa tá me fazendo rever os conceitos desse japinha.

Aí começou o sorteio das equipes. A japinha fez uma cara quando leu quem ela pegou. Quem será?

Ah, foi ele. Alguém joga um balde de água fria, por favor?

Achei que nada podia ser pior que aqueles ônibus de viagem de dupla sertaneja. É isso que gosto da cultura otaku: eles SEMPRE SE SUPERAM!

Alguém anotou a placa? Porque ele tava atravessando a rua com o semáforo no vermelho! 7 pontos na carteira do dono da Tokyopop!

Agora eles estão no Anime Expo, e eu já tenho duas perguntas. A primeira é: quem segura o microfone dessa maneira? A segunda é: pra que selecionar seis otários se você mesmo que tá entrevistando?

E pra que dividir em times se todos estão lá entrevistando todo mundo? E por que colocaram o negro pra entrevistar outro negro?

Olha, tá difícil ver quem tá de cosplay e quem não tá.

Depois falam que eu sou implicante com isso. De novo um negro sendo entrevistado pelo outro negro?

Stu Levy intimida otaku lateralmente avantajado com o olhar.

“Eu tenho um monte de autógrafos do Stan Lee…”

Imagino que o autógrafo do Stan Lee é tão valioso no Império do Capitalismo quanto um autógrafo de, sei lá, um Hironobu Kageyama ou de um Guilherme Briggs no Burajiru.

Tudo arroz de festa.


E aí foram num Maid Café americano. O negro ficou sem função nessa entrevista porque não havia outras pessoas negras para serem entrevistadas.

Identifique um ambiente otaku achando esses 3 elementos:

1- uma banquinha vendendo algo

2- gente sentada no chão

3- uma Visual Pobrita Lolita

Aí esse Reality Show que nunca acaba mostrou mais uma candidata ao prêmio de maior virgem dos EUA: uma TOP Cosplayer. E nessa cena vemos ela mostrando seus brinquedinhos favoritos, tipo essa bolinhas tailandesas.

Aí rolou uma entrevista com Erina Mano, uma dessas cantoras genéricas da Grande Nação Japonesa. Ela disse que se preocupou com suas músicas serem em japonês, e que talvez os otakus dos EUA não entenderiam as letras. Olha, Mano-chan, se eles algum dia procurassem a tradução de QUALQUER MÚSICA japonesa eles não estariam assistindo o seu show.

Agora é a vez de verem um show do X-Japan. E você sabe que a banda é uma coisa requentada e antiquada quando você vê QUEM promoveu o evento.

Yoshiki, você conquistou meu kokoro com essa frase.

Alexandre Nagado, é você?

O gatinho japa está claramente incomodado com a falta de noção do Dr Ray e do loiro tosco.

Desculpem, eu me enganei. SÓ AGORA o gatinho japa está claramente incomodado com a falta de noção do Dr Ray e do loiro tosco.

Eles estão num hotel para otakus, em que você pode ver animes e jogar videogames. Eu denunciaria para o Ministério Público esse tiozinho que leva duas crianças para um “hotel” com a desculpa de jogar videogame e ver anime. Na minha terra isso tem outro nome e está no Código Penal.

Depois de uma cena forçada e constrangedora do gay da terceira idade brigando com seus adolescentes que decidiram largar a matéria para jogar Rock Band, ele começa a jogar também. Não sei como, porque na tela vemos somente duas pessoas jogando.

E quando começaram a entrevistar mais uma candidata para ganhar o título de America’s Greatest Otaku eu já virei fã dela!

VAI GINA! VAI GINA!

E a última competidora foi chamada de Lifelong Cosplayer. Gostei desse eufemismo pra VELHA.

Pelo visto, não é só a LIFE dela que é LONG. A BELLY também tá quase chegando a uma Hatsune Miku.

Aqui apareceram várias monstras do dia de Sailor Moon que roubaram pontos de IMC de todas as pessoas do mundo… o que foi, produção? Ah, são só cosplayers lateralmente avantajadas de Hetalia? Ai que absurdo!

***

E esse foi o programa.

***

(@maisdeoitomil)

Momento Snorlax

27 fev

Deu na Made in Japan:

Depois dessa notícia, uma Hatsune Miku limpou suas lágrimas negras da sociedade.

***

(@maisdeoitomil)

Diversão para Sábado de Noite

26 fev

Você é um gordo virgem que está sentado no seu sofá tentando conseguir todos os troféus de Marvel VS Capcom 3 e fica pensando:

“Puxa, eu gostaria de ter uma otaka aqui comigo pra me divertir nesse sábado de noite.”

Bem, você não vai ter uma otaka. Sabe por quê? Primeiro porque você fala “puxa”, segundo porque Marvel Vs Capcom 3 não é um jogo que nós otakas queremos jogar. Aliás, nem gordo virgem nos agrada tanto.

Ainda quer saber como conseguir uma otaka? Então vamos para o quadro

“Querida Mara,

O meu sonho é ter uma namorada gamer. Passo muito tempo da minha vida no meu PS3 e gostaria de uma garota para compartilhar os bons momentos da minha vida. Pode me ajudar?

Assinado: Um Fã”

Oi Unfan, tudo bem?

Deixa eu ver se a otaka aqui entendeu!

Você quer uma namorada para jogar PS3 com você? Tá de brincadeira, né? Otaka nenhuma leva a sério um console cujo controle parece um sorvete de casquinha.

Mas, se você quer jogar videogame com alguma garota e, quem sabe, conseguir descolar um beijinho de caridade, eu voto que você consiga um Wii e compre esse joguinho:

Scott Herman, jogue comigo meu amoooor!!!!

***

[Enviem suas dúvidas masculinas para o email maisdeoitomil@gmail.com, para o twitter @maisdeoitomil ou aqui nos comentários que elas serão respondidas por especialistas. Ou por mim.]

Ranqueamentos

26 fev

Deu no Jovem Nerd:

Tá, e Naruto sempre tá em primeiro no Ranking de mangás. Isso quer dizer que tem qualidade ONDE?

Tenho uma certa raiva de gente que fala pra prestigiar algo só porque é do Burajiru.

Que ano é hoje? 1969?

***

(@maisdeoitomil)

Depois da Campanha Médica, é hora da Campanha Jurídica

23 fev

Se lembram que eu falei da belíssima campanha médica feita pela Focus Filmes em seu DVD do Fullmetal Alchemist? A empresa entrou em contato com o Jbox pra explicar o ocorrido. Sou só eu que tô sentindo cheiro de bosta?

Deu no Jbox:

Deixa eu ver se a otaka aqui entendeu!

A empresa Focus Filmes comprou da Televix os episódios, mandou colocar na caixinha um “sem cortes” e enfiou tudo num disco sem nem CONFERIR o material?

Gostei do tom de surrealidade disso. Vou até falar de novo:

A empresa NÃO CONFERIU O MATERIAL RECEBIDO PELA TELEVIX???

O Tio Fucci, que cuida da empresa, deve ser um homem estudado. E vocês sabem o maior problema dos homens estudados? Eles conseguem apenas entender textos bem escritos, pois eles são superiores. Então, de nada adianta um companheiro otaku fazer um post revoltadíssimo que eles não estão ligando para isso. De nada adianta um site jovem como o Jbox postar isso porque eles não estão ligando para isso. De nada adianta uma blogueira de quinta chamada Mara fazer gracinha dizendo que o DVD é uma campanha pela falta de doação de sangue no Burajiru. Essas palavras, todas muito simples e sem pompa, não vão chegar aos ouvidos do Tio Fucci.

Agora, se uma empresa que se diz grande como a Focus Filmes lança DVDs com qualidade captada da televisão em Changeman, faz uma legendagem mais amadora que fansub de narutard semi-analfabeto em Jiraya, lança um produto desfigurado em National Kid, abandona séries como em Hunter x Hunter e Super Campeões, lança um material com propaganda enganosa em Fullmetal Alchemist E AINDA anuncia novos produtos e os fãs vibram, algo está MUITO ERRADO.

TÁ TUDO ERRADO!

Mas como o Tio Fucci não nos ouve, e não entende a linguagem ligeira dos jovens, só nos resta falar com ele com um linguajar mais culto. Como eu não consigo falar assim, vou pegar emprestadas palavras de um site do governo chamado MINISTÉRIO DA JUSTIÇA numa seção chamada de DIREITO DO CONSUMIDOR. IKIMASU tentar entender?

Mara traduz: O que está escrito na capa tem que estar no produto.

Mara traduz: Se a empresa não oferecer o que tá anunciado no produto, podemos OBRIGÁ-LA a fazer isso, pegar outro produto (outro DVD Box defeituoso da Focus?) ou PEDIR O DINHEIRO DE VOLTA.

Mara traduz: Se enganar o consumidor, é preso E paga multa. Ou seja, é o famoso “Escreveu, não leu, o pau comeu”

É tanta coisa errada que não sei nem por onde começar. Mas essa história pode ter um fim muito interessante, sabiam? Porque eu CONVOCO todos os leitores deste blog, pessoas influentes da indústria da cultura da Grande Nação Japonesa e todos mais para jogar a palavra PROCON em seus Googles e procurar o site de sua região para fazer aquela denúncia esperta.

Parem de fazer seus piquetes na porta da Focus, suas petitions online e tentativa de emplacar um #FOCUSFail nos TTs. Eles só vão tomar vergonha na cara quando tiverem que pagar uma multa, forem obrigados pela justiça a resolver esse problema.

Propaganda Enganosa é crime.

Enganar o consumidor é crime.

Ludibriar otaku é crime porque otaku, perante a lei, é consumidor (mas perante a lei).

Então eu sugiro que peguem a pipoca, o refrigerante e acompanhem na vara mais próxima (seu namorado bem dotado não vale) o desenrolar dessa história.

OBJETCION NELES!!!

***

(@maisdeoitomil)

Expectativa Crescente

22 fev

Eu, como toda boa otaka, adoro música da Grande Nação Japonesa. Suas letras profundas, seus vocais impecáveis e sua grande qualidade e bagagem cultural. Por isso adoro os shows do Hironobu Kageyama em todo Anime Friends!

E a Yamato, a empresa que realiza o maior evento da cultura mais rica na América Latina, com mais de oito mil cem mil visitantes, número esperado para um encontro de fãs que tem uma duração maior que aquela viagem para a praia de final de ano… do que eu tava falando mesmo? Ah! Da Yamato!

A Yamato vai trazer um cantor japonês decente, já que o Kageyama tem um número maior de apresentações no país que o Briggs tem de palestras. E todo mundo começou já na expectativa quando a empresa começou a atiçar seus seguidores. IKIMASU acompanhar a expectativa?

AI QUE EMOÇÃO!!! QUEM SERÁ QUE ELES VÃO TRAZER?????

É A BOA!!!! SÓ PODE SER A BOA!!!! OU A MEGUMI HAYASHIBARA!!! OU A FLOW??? OU LARC?????

I GOTTA A FEELING!!! SÓ PODE SER A BOA!!! DEPOIS DE SÉCULOS A BANDA VAI VIR PRO BURAJIRU!!!!!

Ai minna, sinceramente, só pode ser a BoA! Há muitos anos tá rolando os boatos sobre isso! É uma banda boa (sem trocadilhos)!

Mesmo se não for a BoA, toda essa expectativa só deve ser pra algo muito relevante na indústria fonográfica da Grande Nação Japonesa! BOA! BOA! BOA!

Odeio gente que pede confete no Twitter. É tanta carência nesse mundo da cultura mais rica…

FALA LOGO QUE É A BOA! BOA! BOA! BOA!! BOOOOAAAAA!!!

BOOOOO…. que?

Depois do anúncio dessa grandeza, eu só tenho que dar os parabéns para a Yamato.

Por trazer uma banda tão importante para o Burajiru?

Não.

Por trazer algo que eu jurava que era um controle decadente do Playstation 3 que parece o báculo da segunda fase de Sakura Card Captor?

Não.

Então por que, Mara?

Porque eles conseguiram a proeza de trazer alguém…

…que consegue ser menos relevante que o próprio Kageyama na Grande Nação Japonesa

***

(@maisdeoitomil)

Zelda – 25 anos de aventuras

21 fev

Hoje meu namorado me ligou pra avisar que o jogo The Legend of Zelda faz aniversário e que eu sou obrigada a fazer um post comemorativo. Então lá vai!

***

Vinte e cinco anos, heim minna?
Muitos de vocês nem têm essa idade.

25 anos é muita coisa, é um quarto de século. E para um jogo de videogames, isso é muito tempo.

Enquanto vocês se divertem com Call of Duty Calóf-Dãti-Calóf-Dãti-Calóf-Dãti e Rock Band, vocês se esquecem da essência! Vocês se esquecem da verdadeira emoção! Vocês se esquecem do sentimento mais simples do ser humano: o amor.

Todos devemos ter um objetivo na vida. E essa pessoa que faz 25 anos hoje tem um objetivo, que é salvar a princesa. Há um objetivo mais belo e lúdico do que resgatar a pessoa amada?

Por 25 anos, por várias histórias e por várias linhas do tempo que a Nintendo insiste que não existem, aquele garoto loiro é o grande herói de nosso tempo.

O menino loiro é um herói que não fala, não expressa muitas coisas, mas que transmite para o jogador toda a aventura que existe em seu mundo.

E ele faz isso guiado por apenas um sentimento: O AMOR. Porque o amor é a chama que nos une no crisol da vida!

E durante esses 25 anos, ele enfrentou tudo no mundo apenas para resgatar o amor de sua vida. Por isso, eu tenho uma mensagem EXCLUSIVA e DEDICADA apenas a esse menino loiro que nos deu tantas alegrias.

Garotinho loiro, o que eu tenho a te dizer é:

Parabéns, Zelda, por esses 25 anos de aventura tentando resgatar a princesa que não sei o nome!

Que venham mais 25 anos!

***

(@maisdeoitomil)

O poder é do voto de vocês! [RESULTADO]

21 fev

Há muito tempo atrás eu fiz um post no Mais de Oito Mil (Dã! No Jbox que não ia ser…) incentivando as pessoas a votarem numa enquete no site Guia de Quadrinhos. Será que é porque o site é muito influente?

Sinceramente? Eu não sei.

Eu tava olhando a Folha de São Paulo e vi uma notícia sobre a premiação. Aí entrei no site e achei incrivelmente bem feito e organizado o sistema de voto, então decidi recomendar aos meus leitores (Dã! À minha mãe que eu não ia recomendar…) essa votação, principalmente porque ia decidir os piores do ano.

Muitas pessoas comentaram no meu post que era um site sem influência e que aquilo não ia afetar nem um pouco a reputação da JBC. Bem, não que tenha sobrado alguma reputação depois de ainda insistirem em mangás meio-tanko, mas não custa nada tentar, né?

Além de quê, prefiro mil vezes uma enquete bem feita respondida por leitores que mil premiações que chamam Serginhos Groismans da vida para apresentar e cujos críticos especializados (pffff) da comissão julgadora têm aversão a quadrinho japonês ou qualquer coisa que seja pop (tirando a Turma da Mônica, que é mais arroz de festa que cosplay de Akatsuki no Anime Friends).

Aí saiu o resultado da enquete, rápido como o aumento no preço do primeiro volume de Yuyu Hakusho. IKIMASU ver o resultado?

Que incrível, e não é que a campanha do Mais de Oito Mil deu certo? Estou tão feliz com meu poder de influência que acho que até consigo fazer vocês eliminarem o Rodrigão no paredão de amanhã.

Só que aí eu caio naquilo que muitos falaram nos comentários:

“Mas Mara, a JBC e p Briggs nem devem saber que ganharam isso. Sua tosca.”

Como eu tenho certeza que ninguém em sã consciência perde seu tempo lendo este blog, sou obrigada a avisá-los de alguma maneira.

E o lance do Rodrigão tá de pé?

***

(@maisdeoitomil)

Mais de Oito Mil Interview – Mara entrevista Fabio Sakuda

20 fev

“Porra, maaaaaais uma entrevista, Mara?”. É sim, minna! É por causa da relevância dos entrevistados? Nem, é porque se eu postar eu consigo mostrar credibilidade e aí posso pedir uma entrevista com a Petra Leão. Já imaginou que SUGOI que ia ser? Deixando as velhices de lado, hoje no Mais de Oito Mil Interview temos uma entrevista com Fabio Sakuda! Ah, você não sabe quem é ele? Ele é roteirista do mangá Rapsódia, que está na revista Ação Magazine, daquele sucinto Lancaster. “Porra, maaaaaais uma postagem relacionada a esse projeto, Mara?”. Ele nos concedeu essa divertida entrevista enquanto passeávamos de pedalinho em forma de cisne negro na Lagoa Rodrigo de Freitas, tomando um suco de sapoti enquanto líamos trechos de O Guarani. IKIMASU ler a entrevista com o Fabio?

 

Mara: Obrigada pela entrevista e parabéns pelo projeto. A pergunta mais interessante da noite é… ser autor de quadrinhos no Burajiru atrai mulher? Ou só otaka mesmo?

Fabio: No Japão atraia até, aqui eu ainda não consegui usar isso de forma positiva. Titanic, mulherada, ninguém mais tem esse tipo de fantasia? Um Sketchbook, uma poltrona bacana…

Mara: Todo mundo sabe que você desenha, faz tradução, faz roteiro, escreve matérias… já pensou em ser dublador também?

Fabio: Dublador não é minha praia. Eu escrevo. Sei traduzir, se me pagam eu faço. Sei fazer matérias, se me pagam eu faço. Pagando bem, que mal tem, né? (Mara comenta: ui) Também fotografo, leio pra caramba, escrevo um blog, assisto filmes. (Mara comenta: faz aulas de “etc”?) Quem quiser me pagar pra ter meus hobbies, eu aceito e agradeço do fundo do coração $2 !!

Mara: A criação de Rapsódia é do Carlos, mas o roteiro é teu. Você se sente como a Nazaré Tedesco, pegando o filho da Maria do Carmo e criando como se fosse seu?

Fabio: Isso é interessante, que Rapsódia é como um filho adotado. E eu tô ajudando a criar. Não peguei a referência, mas eu tô criando mesmo como se fosse um filho meu. (Mara comenta: sua raposa felpuda!) Acho que é questão de postura também. No Brasil, todo mundo quer ser criador, quer fazer o que gosta do jeito que vier à cabeça. Mas ser o desenvolvedor tem seus méritos. Saber explorar o potencial de uma boa idéia é ainda mais difícil do que ter uma. E acho que é por isso que todo mundo se acomoda em criar só o que quer.

Mara: Fazer roteiro de mangá de ação é mais fácil pela falta de diálogo?

Fabio: Ah, muito mais fácil! Só fazer palitinhos e onomatopéias, depois o Carlos dá um jeito, não é? Mas falando sério, pensar em ação é complicado em outro sentido, porque você tem que ter ritmo, manter sua diagramação de página e narrativa visual… Tem que ter impacto, e isso é muito difícil de fazer. Diálogos são relativamente fáceis de se fazer nesse sentido.

Pra alguns roteiristas pode ser mais fácil, mas eu faço o name, que é o rascunho do roteiro, já diagramado, pensando em tudo aquilo que eu falei, e depois, eu e o Carlos discutimos pra acertar a montagem da página.

Mara: Quais os limites dos autores? Se vocês quiserem colocar muito sangue, muita mulher peituda e muitas calcinhas é autorizado numa boa?

Fabio: Não achei que você pediria, mas não se preocupe! (Mara comenta: Tenho que parar de deixar meu namorado sugerir perguntas) Teremos uma boa dose de mulheres peitudas, seremos generosos com as calcinhas e já estamos dando o nosso próprio sangue! Vai ter muita coisa, mas respeitando o fato de que é uma revista de abrangência popular, não podemos exagerar. Particularmente, eu prefiro peitos mais anatômicos.

Mara: Se você visse alguma cosplayer lateralmente avantajada fazendo cosplay de algum personagem de Rapsódia, você ia gostar ou ficar ofendido com a homenagem mal feita?

Fabio: Eu ia achar legal, de verdade. Acho divertido, a pessoa já tá lá só pra se divertir, se for com um personagem que eu ajudei a criar, eu ficaria muito lisonjeado. Estando bem feito, eu acho muito bom (Mara comenta: detalhe no “estando bem feito”… ouviu Fat Hatsune Miku?). Não tenho conhecidos que façam cosplay (não que eu saiba) mas adoraria conhecer, principalmente uma menina que tava de Naruto no último AF. Aquilo é um pecado, felizmente eu sou um pecador!

Mara: Você tem algum problema referente à “bunda gorda”? Porque no preview isso apareceu bastante. Será o indicativo de uma futura saga?

Fabio: A Saga do Cofrinho Secreto. Apresentando a Mulher Melancia gigante. Meu, isso iria vender MUITO aqui! Não tenho problemas com bunda gorda, muito pelo contrário! Mas de homem, e gigante, a coisa muda de figura. Bunda peluda é kiwi, e dessa fruta eu não como não!

Mara: Muito obrigada pela entrevista. Deixe uma mensagem para os leitores do Mais de Oito Mil e se quiser deixar contato para nossas leitoras Maria-Nanquim está liberado também.

Fabio: Obrigado a todo o apoio que o pessoal tem dado, todos da Ação estão muito felizes e confiantes e vamos fazer de tudo pra corresponder à todos, e aos poucos, poder chegar ao tamanho e tradição que as antologias japonesas têm. Quem quiser nos acompanhar no Orkut, no Twitter e no FaceBook, siga pelos links. E o site estará no ar em breve. Quem quiser me seguir em particular, meu Twitter é o @XILFX . Para Maria-Nanquim, se souber lavar, passar, cozinhar, me mande DM! Se for rica, me mande DM!

Abraços! E Obrigado pelo espaço, Mara!

(OBS: Quatro horas após a entrevista, Fabio lembra que não passou os links e manda um email)

Depois que eu vi, esqueci os links! A revista, o facebook, o Orkut e o meu blog!

***

(@maisdeoitomil)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.095 outros seguidores